PRR: Governo altera orgânica da Direção-Geral do Património Cultural

A alteração aprovada, e que entra em vigor na quinta-feira, permitirá a inclusão de dois novos departamentos na atual orgânica da DGPC: o Departamento do Fundo de Salvaguarda do Património Cultural e o Departamento de Modernização e Transição Digital.

Portugal

A orgânica da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC) foi alterada para que se possa operacionalizar os investimentos previstos no Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), segundo portaria publicada hoje em Diário da República.

A alteração aprovada, e que entra em vigor na quinta-feira, permitirá a inclusão de dois novos departamentos na atual orgânica da DGPC: o Departamento do Fundo de Salvaguarda do Património Cultural e o Departamento de Modernização e Transição Digital.

De acordo com o Ministério da Cultura, o Departamento do Fundo de Salvaguarda do Património Cultural “vai prestar apoio técnico, administrativo e logístico ao nível da intervenção em património imóvel”, do que está previsto no PRR.

O Departamento de Modernização e Transição Digital irá acompanhar o “desenvolvimento e monitorização de soluções tecnológicas de acesso às coleções, arquivos e bases de dados da responsabilidade da DGPC”, e que estão inscritas no PRR.

Segundo o organograma atual, a Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), dirigida por João Carlos dos Santos, dispõe de cinco departamentos, abrangendo áreas como a conservação e credenciação, a fiscalização de obras e o apoio à gestão de museus, monumentos e palácios.

A nomenclatura dos atuais departamentos é alterada, reorganizada e passa a incluir aquelas duas novas áreas, por conta do PRR.

Assim, a DGPC passa a integrar nos seus serviços o Departamento dos Bens Culturais; o Departamento de Museus, Monumentos e Palácios; o Departamento de Estudos, Projetos e Obras; o Departamento de Planeamento, Gestão e Controlo; o Departamento de Modernização e Transição Digital e o Departamento do Fundo de Salvaguarda do Património Cultural.

O Fundo de Salvaguarda do Património Cultural existe desde 2009, com uma dotação própria, para responder “às necessidades de salvaguarda de bens culturais em situações de emergência”, mas também para possibilitar a “aquisição, reabilitação, conservação e restauro de bens de relevante interesse cultural”.

Até agora, este fundo era gerido por uma comissão diretiva composta por três elementos da Direção-Geral do Património Cultural.

Questionado pela agência Lusa, fonte oficial do Ministério da Cultura explicou que este fundo continua a ser autónomo e que o departamento criado na DGPC dará apoio técnico.

O Plano de Recuperação e Resiliência para a área da Cultura tem uma dotação global de 243 milhões de euros (ME), dos quais 150 ME dizem respeito ao Património Cultural e 93 ME serão aplicados em Redes Culturais e na Transição Digital.

Em dezembro de 2021, numa apresentação pública sobre a aplicação de verbas do PRR na Cultura, o Ministério da Cultura revelava que o Fundo de Salvaguarda do Património Cultural fica responsável pela aplicação dos 150 ME e que é o intermediário na atribuição das verbas com as entidades envolvidas.

No caso dos 93 ME para a transição digital, a gestão do investimento passa pelo Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliações Culturais (GEPAC).

À Lusa, fonte do ministério tutelado por Pedro Adão e Silva explicou que “há investimentos na área da digitalização relacionados com o Património Cultural e esses são acompanhados por este departamento”, criado na DGPC.

Entre as várias medidas enquadradas na vertente do PRR dedicada às redes culturais e transição digital estão a “cobertura de wifi em 50 museus, palácios e monumentos”, a “modernização tecnológica dos laboratórios de conservação e restauro”, a instalação do Arquivo Nacional do Som e a “digitalização de acervos de museus sob a gestão da DGPC e das direções regionais de Cultura”.

A alteração da orgânica da DGPC “não implica nenhuma alteração à distribuição dos fundos do PRR conforme já estava contemplada”, esclareceu o Ministério da Cultura à agência Lusa.

Quanto ao número de trabalhadores já contratados pela DGPC, em procedimentos concursais de caráter excecional, no âmbito do PRR, a mesma fonte remeteu para mais tarde a divulgação de dados oficiais.

Recomendadas

Exoneração de embaixador português no Qatar é “rotação habitual”, diz MNE

O Ministério dos Negócios Estrangeiros justificou, esta quarta-feira, a exoneração do embaixador português no Qatar, António Alves de Carvalho, após declarações polémicas do chefe de missão no país, como um “procedimento habitual na carreira diplomática”.

PSD diz que incêndios “são problema político” a que Governo não dá “resposta à altura”

O PSD considerou esta quarta-feira que os incêndios são “um problema político” ao qual António Costa e o PS “não sabem, não estão a dar, uma resposta à altura” e acusou o Governo de ser “especialista em desresponsabilizar-se”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira, 17 de agosto

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta quarta-feira.
Comentários