PRR: Investimentos devem “resolver carências habitacionais”

A Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN) reiterou assim “a importância da concretização dos investimentos previstos no PRR para o domínio da habitação, os quais estão, sobretudo, orientados para resolver as carências mais graves nesta matéria”.

Reuters

Os investimentos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) devem “resolver as carências mais graves” na área da habitação, defendeu hoje a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), em comunicado.

A organização reiterou assim “a importância da concretização dos investimentos previstos no PRR para o domínio da habitação, os quais estão, sobretudo, orientados para resolver as carências mais graves nesta matéria”.

A associação entende ainda que “se trata de uma oportunidade para reforçar o tecido empresarial nacional, sobretudo as pequenas e médias empresas de construção, que devem ser apoiadas no imprescindível processo de qualificação e de posicionamento competitivo”.

Citado na mesma nota, o presidente da AICCOPN, Reis Campos, referiu que “com 1.583 milhões de euros em subvenções previstas, o Estado vai ter acesso a um volume importante de fundos comunitários que lhe vão permitir responder a situações como a erradicação de condições indignas de habitação, ou a criação de alojamento urgente e temporário”.

Para o dirigente associativo, “é inquestionável a importância destas prioridades e a necessidade de executar os recursos europeus de forma correta e atempada”, assegurando que para isso “será preciso mobilizar todo o tecido empresarial do setor, que é composto por empresas de diferentes dimensões e especialidades”.

Reis Campos acredita que “qualificar as empresas e apoiar a sua transição para modelos mais sustentáveis é a única forma de cumprir o PRR e assegurar um impacto efetivo na economia e no emprego”.

Para o presidente da AICCOPN, “assumir esta oportunidade e assegurar que Portugal não fica à margem da restante Europa implica, desde já, apoiar o posicionamento competitivo das empresas portuguesas do setor, para o qual o planeamento e calendarização dos investimentos é fundamental”, apontando a “necessidade de reorientar o sistema de formação profissional, para que este possa dar resposta às necessidades das empresas”.

Segundo o líder associativo, “o aumento da oferta de habitação social, a modernização de um parque edificado que deve estar alinhado com as novas exigências em matéria de sustentabilidade e segurança, bem como o grande desafio da Construção 4.0, são objetivos que têm de avançar de imediato no terreno”, referindo que só assim é possível “começar a resolver os problemas estruturais da habitação e, simultaneamente, gerar emprego e empresas mais competitivas”.

O PRR tem um período de execução até 2026 e prevê um conjunto de reformas e investimentos para alavancar o crescimento económico.

No dia 3 de agosto, a Comissão Europeia desembolsou 2,2 mil milhões de euros a Portugal referente ao pré-financiamento de 13% do PRR, num montante global de 16,6 mil milhões de euros, aprovado no mês passado.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.
Comentários