PremiumPRR pode dar impulso às sociedades multidisciplinares

Multidisciplinaridade na União Europeia, acesso à profissão e talento nas sociedades de advogados foram os principais temas em debate na Faculdade de Direito da Universidade Católica.

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) pode ser o principal impulsionador da admissão das sociedades multidisciplinares em Portugal, uma vez que o país está atrasado na transposição de uma diretiva europeia de liberalização das profissões reguladas e não pode arriscar cometer mais erros e pôr em causa o dinheiro da ‘bazuca’. A ideia foi transmitida por Francisco Mendes da Silva, sócio da MLGTS, Fernando Antas da Cunha, managing partner da Antas da Cunha Ecija, e António Vicente Marques, managing partner da AVM, na conferência Lisbon Law Summit, que se realizou na terça-feira na Faculdade de Direito da Universidade Católica de Lisboa e da qual o Jornal Económico foi media partner.

No entanto, num painel moderado por Márcia Martinho da Rosa, os advogados debateram-se sobre a presença do sector público no PRR. O professor Gonçalo Saraiva Matias referiu que “era importante que o dinheiro fosse mais canalizado para as empresas”, mas salvaguardou que mesmo o capital que será para a Administração Pública refletir-se-á nos privados com os quais contratualizarão equipamentos e serviços. “Há aqui muito trabalho para os advogados, como desenhar os contratos públicos envolvidos e assessorar os negócios”, assegurou o sócio da Saraiva Matias & Associados. “Há uma necessidade do sector público. É preciso é debater se o dinheiro está a ser bem ou mal gasto pelas instituições”, respondeu o advogado Pedro Vaz Mendes.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Ordem dos Advogados critica novas regras das escalas presenciais

O bastonário diz que os cidadãos e os advogados são prejudicados porque veem os horários (mapas de escalas) serem alterados sem qualquer justificação ou informação prévia.

Houve 1.047 negócios avaliados acima dos 100 milhões de dólares concluídos em 2021

“A atividade global atingiu novos máximos, com 1.047 negócios avaliados acima dos 100 milhões de dólares concluídos em 2021”. Isto, diz a WTW, “representa um aumento significativo face ao ano anterior (674 negócios) e é o volume anual mais elevado desde que iniciámos a nossa análise, em 2008”.

Paulo Teixeira toma posse como novo bastonário Ordem dos Solicitadores e Agentes de Execução

“É premente que se elimine o modo atual de nomeação do agente de execução, repristinando-se um modelo alicerçado na distribuição, aliás modelo esse que nunca deveria ter sido abandonado”, diz ao Jornal Económico o sucessor de José Carlos Resende.
Comentários