PremiumPRR. Tribunal de Contas estará atento ao risco de “fraude e princípio da concorrência”

Ao JE, José Tavares assegura que o Tribunal de Contas estará atento aos riscos de fraude com os fundos europeus. E diz que são os gestores “que fazem a diferença” na aplicação dos procedimentos de contratação.

Portugal está cada vez mais perto de começar a receber as primeiras verbas do Plano de Recuperação (PRR) e Resiliência, com a ‘luz verde’ esta semana ao documento pela Comissão Europeia. Como o primeiro-ministro, António Costa, admitiu “o trabalho difícil começa agora”, até porque a libertação das tranches de financiamento está dependente do cumprimento das metas com que se comprometeu em Bruxelas, mas a gestão e fiscalização da execução dos fundos é outro dos grandes desafios que o país enfrenta, matéria à qual o presidente do Tribunal de Contas (TdC), José Tavares, garante ao Jornal Económico (JE) que a instituição estará atenta.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários