PS acusa: Demissão de administração da CGD resulta de “empenho do PSD e do CDS-PP em causar dificuldades”

João Galamba, deputado e porta-voz socialista, referiu ainda esperar “que o PSD não embarque numa nova tentativa” de dificultar o processo de recapitalização da CGD.

Foto cedida

O PS refuta a ideia de que a demissão da administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD) foi motivada pela falta de apoio político: “Não é uma questão de falta de apoio político. Tratou-se de um processo complexo durante o qual dois partidos [PSD e CDS-PP] se empenharam em causar dificuldades.” Quem o diz é João Galamba, porta-voz e deputado do PS.

Galamba lembrou, à semelhança do que o próprio primeiro-ministro já adiantou, que a nova administração do banco público será nomeada esta semana, mas que o mais importante é, sublinhou o porta-voz do partido, “garantir que o acordo entre o governo e a Comissão Europeia para a recapitalização da CGD se mantém”.

Questionado pelos jornalistas sobre uma potencial posição de fragilidade do governo causada pela demissão de António Domingues e da restante administração, Galamba admitiu que o PS gostaria “que alguns aspetos tivessem corrido melhor”.

O deputado socialista referiu ainda esperar “que o PSD não embarque numa nova tentativa” de dificultar o processo de recapitalização da CGD e assegurou que o atual governo “resolveu problemas herdados pelo governo anterior”.

Recorde-se que a demissão de António Domingues terá sido motivada, segundo avançou o Diário de Notícias, pela falta de apoio político sentida pela administração, decorrente do apoio do Bloco de Esquerda (BE) ao projeto do PSD que tornou obrigatória a entrega da declaração de rendimentos no Tribunal Constitucional e da “incapacidade do PS para demover o seu parceiro de coligação”. De acordo com o jornal, a equipa que administrava a CGD já tinha decidido entregar as declarações de rendimentos e tanto o governo como o BE teriam conhecimento dessa decisão.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Bruxelas favorável a limite de preço para gás russo

“A Europa enfrenta a chantagem energética da Rússia, e a procura global de gás é mais elevada do que a oferta. Precisamos de trabalhar ao longo de toda a cadeia para enfrentar o desafio. Primeiro, temos de agir no ponto em que o gás entra no nosso mercado. Estamos a negociar com os nossos fornecedores fiáveis de gás de gasoduto. Se isto não trouxer resultados, então é possível um preço máximo”, declarou a comissária.

Governo reconhece necessidade de “valorizar salários” e espera acordo na Concertação Social

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares discursava no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no âmbito da conferência “Em nome do futuro: os desafios da juventude”, organizada pela Santa Casa da Misericórdia e pela Rádio da Renascença.
Comentários