PS acusa Governo Regional de não querer valorizar os trabalhadores madeirenses

Os socialistas consideram que o acréscimo do salário mínimo em 2,5% não é suficiente, considerando que é necessário investir na valorização do trabalho através dos salários intermédios.

O Grupo Parlamentar do PS criticou, esta manhã, o Governo Regional de ter uma política de empobrecimento que não valoriza os trabalhadores madeirenses.

Em conferência de imprensa promovida esta segunda-feira, o deputado Rui Caetano destacou que o Governo Regional tem todas as condições para, em conjunto com os representantes dos trabalhadores e das empresas, criar políticas de incentivo para o aumento dos salários dos trabalhadores.

O líder parlamentar do PS considera “inaceitável” que, ao “fim de 50 anos de governação do PSD, os madeirenses tenham o menor poder de compra e os salários mais baixos do país”.

Os socialistas consideram que o acréscimo do salário mínimo em 2,5% não é suficiente, considerando que é necessário investir na valorização do trabalho através dos salários intermédios.

“O Governo Regional fala muito de crescimento do turismo e em apartamentos de 500 ou 600 mil euros, mas os salários dos trabalhadores continuam miseráveis e não vemos nenhuma política de valorização para estes”, realça.

O PS acredita que o Governo Regional teve autonomia, estabilidade política e meios financeiros para fazer muito mais, mas que prefere promover uma realidade paralela que não aquela que é vivida no seio das famílias madeirenses.

Assim, Rui Caetano defendeu que é necessário fazer muito mais para uma efetiva valorização de salários que permitam às famílias madeirenses conciliar a sua vida familiar e profissional e garantir que estas possam viver com dignidade.

Recomendadas

Preço do arrendamento de habitação sofre quebra de 2% na Madeira

O custo ficou em 10,6 euros por metro quadrado.

Produção de energia elétrica aumentou 5% na Madeira

71,5% da produção de energia foi de origem térmica, 15,3% de origem eólica, 9,4% de origem hídrica e 3,8% de origem fotovoltaica. O consumo de energia elétrica aumentou 4,4%.

Comissão por amortização antecipada no crédito à habitação: saiba o que é e como funciona

Se está à procura de alternativas será aconselhável pedir soluções ao seu banco, mas também consultar o mercado e avaliar ofertas alternativas.
Comentários