PS acusa PSD de “problema de consciência” e de querer desmantelar o SNS

O PS “foi muito claro” ao afirmar e ao reiterar que para o partido o SNS é um serviço que deve ser público e tendencialmente gratuito, reforçou.

O secretário-geral adjunto do PS, João Torres, acusou no sábado à noite o PSD de ter um “problema de consciência” em relação ao Serviço Nacional de Saúde (SNS) e de querer privatizá-lo e desmantelá-lo.

“O único objetivo do PSD em relação ao Serviço Nacional de Saúde é a sua privatização e o seu desmantelamento. Nós não aceitamos essa visão, rejeitamos essa visão para a saúde pública em Portugal”, afirmou no jantar de Natal do PS/Trofa, no distrito do Porto.

Durante um discurso de cerca de meia hora, e perante uma sala cheia, o socialista referiu que o PS, ao contrário do PSD, acredita num SNS tendencialmente gratuito e “que cuida de todos, independentemente daquela que é a sua condição económica”.

Ressalvando que o PS foi e é “absolutamente decisivo” para robustecer o SNS, João Torres assumiu ser “absolutamente espantoso” ouvir o presidente do PSD, Luís Montenegro, dizer que o PS é um partido que é amigo da iniciativa privada na saúde.

“Sejamos muito claros a esse respeito. Em primeiro lugar, o PS nunca teve dogmas ideológicos a propósito do SNS. Nós nunca tivemos nenhum preconceito para com a iniciativa social ou privada na saúde”, vincou.

O PS “foi muito claro” ao afirmar e ao reiterar que para o partido o SNS é um serviço que deve ser público e tendencialmente gratuito, reforçou.

João Torres considerou que o problema do líder da oposição com o SNS é, antes de mais, um “problema de consciência”.

“Porque o PSD tem, e importa não deixar passar em branco, um pecado original em relação ao SNS. É que o PSD não votou a favor da criação do SNS e, por isso, é importante dizer aos portugueses e a todos aqueles que nós conhecemos que se querem robustecer o SNS é mesmo como o PS que contaram, contam e vão continuar a contar”, sustentou.

Além disso, o secretário-geral adjunto do PS salientou que é importante não esquecer o “desinvestimento brutal” que o PSD e a direita fizeram no SNS quando governaram o país da última vez.

Falando em “críticas desnutridas” do PSD, João Torres recordou o contributo que o SNS deu a Portugal num momento “especialmente exigente” como foi o da pandemia quando tantos desconfiavam da sua capacidade e da capacidade dos seus profissionais.

“E nós percebemos que o nosso SNS, que os nossos profissionais de saúde estiveram absolutamente à altura e foram inexcedíveis para que conseguíssemos ultrapassar esse momento difícil da nossa história presente”, afiançou.

O socialista entendeu que Luís Montenegro “aqui e acolá” tenta menorizar o PS com “casos e casinhos”.

Contudo, advertiu, o PS “não se vai encolher, está vivo, forte, presente”.

Recomendadas

Pampilhosa da Serra assina novo contrato para assegurar transporte de passageiros

O município da Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, vai pagar mensalmente mais de 15 mil euros a uma empresa para assegurar o serviço de transporte público de passageiros nas linhas que funcionam atualmente.

Stop diz que Governo continua sem respostas para as reivindicações dos professores

O coordenado nacional do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (Stop) disse hoje que o Governo continua sem dar respostas às reivindicações dos professores, considerando a reunião de hoje desoladora.

Regime remuneratório dos médicos das urgências alargado até 28 de fevereiro

O Governo aprovou a prorrogação do regime remuneratório aplicável ao trabalho suplementar dos médicos nos serviços de urgência. Medida excecional vigora até ao final deste mês.
Comentários