PS e PCP chumbam audição de Medina sobre contratação de Sérgio Figueiredo

O requerimento foi rejeitado com os votos contra do PS e do PCP, tendo recolhido os votos favoráveis do Chega, PSD e Iniciativa Liberal.

Cristina Bernardo/JE

Os deputados da Comissão de Orçamento e Finanças chumbaram hoje o requerimento do Chega para ouvir o ministro das Finanças, Fernando Medina, sobre a contratação para a sua tutela do ex-diretor de informação da TVI Sérgio Figueiredo.

O requerimento foi rejeitado com os votos contra do PS e do PCP, tendo recolhido os votos favoráveis do Chega, PSD e Iniciativa Liberal.

Antes da votação, foi referido o facto de, entretanto, ter sido agendada para dia 14 a audição regimental ao ministro as Finanças, momento durante o qual Fernando Medina poderá ser questionado sobre este tema.

Apesar desta possibilidade, o PSD lembrou a importância e Fernando Medina dar explicações sobre esta contratação que acabaria por cair, com a renúncia de Sérgio Figueiredo ao cargo.

Na justificação do requerimento, o Chega aludiu ao facto de, após ter sido noticiada a contratação do ex-diretor de informação da TVI, terem vindo a público notícias sobre outras relações contratuais que deveriam ser esclarecidas.

Na terça-feira, em entrevista na RTP 1, o ministro das Finanças afirmou que o lugar de consultor do ministério que foi recusado por Sérgio Figueiredo, no mês passado, será ocupado por uma “pessoa com o currículo adequado” para as funções exigidas.

“(…) Quando se encontrar a pessoa com o currículo adequado para cumprir as funções que considero importantes, de abertura do ministério e do diálogo (…) com a sociedade civil, (…) irá poder trabalhar com o Ministério das Finanças”, disse Fernando Medina.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

CNE diz que propaganda política é “livre” e vê possível crime da Câmara de Lisboa

A Comissão Nacional de Eleições (CNE) considera que a atividade de propaganda política é “livre” em locais públicos e que a retirada de ‘outdoors’ em Lisboa por parte da Câmara Municipal pode constituir crime.

“A habitação é um drama no nosso país”, alerta Bloco de Esquerda

Mariana Mortágua destacou, no Parlamento, que “constatar que a subida das taxas juros” na habitação está já a “fazer moça não é alarmismo é a nossa responsabilidade”.
Comentários