PS/Madeira acusa Governo Regional de estar “alheado da realidade”

O líder do PS/Madeira acusou este sábado o Governo Regional e os partidos que o compõem o executivo insular (PSD e CDS) de estarem “alheados da realidade” e dos problemas dos madeirenses porque estão “fechados nos gabinetes”.

“Temos de sair dos gabinetes, temos de falar com as pessoas, perceber quais são os problemas reais, para definirmos soluções concretas”, declarou Sérgio Gonçalves, no dia em que o PS/Madeira deu início à iniciativa denominada ‘Saber Ouvir’.

Na opinião do presidente dos socialistas madeirenses, “o Governo Regional e os partidos que o sustentam estão fechados nos gabinetes e alheados da realidade”.

O responsável salientou que quando se assiste a um “aumento brutal do custo de vida e de uma inflação como não víamos há 30 anos”, a Madeira tem “um Governo Regional com uma receita extraordinária de IVA de 87 milhões de euros e que não implementa medidas para devolver rendimentos às pessoas ou para baixar o custo dos bens e dos serviços que consumem”.

“Temos de usar a autonomia que temos para reduzir o preço dos bens e dos serviços que consumimos”, sublinhou, sustentando ser urgente aplicar o diferencial fiscal de 30% em todos os escalões de IRS, para, de forma, imediata, devolver rendimentos às famílias para que possam fazer face ao aumento do custo de vida.

O líder socialista também defendeu ser necessário criar incentivos ao arrendamento e à aquisição de habitação própria, visto ser um problema que afeta “jovens e a classe média, que está impedida de aceder ao mercado, dados os preços que se praticam”.

A dificuldade no acesso à saúde, o aumento e falta de transparência na gestão das listas de espera, a relutância do governo madeirense no que diz respeito à implementação de tempos máximos de resposta garantidos, medida que já existe em todo o território nacional foram outras situações que mencionou.

Sobre a iniciativa Saber ouvir, realçou que “marca uma nova forma de fazer política” que visa “auscultar os madeirenses e os porto-santenses acerca dos seus problemas e anseios, de modo a encontrar as melhores soluções para o futuro da Região”.

Sérgio Gonçalves apontou que este evento é “um movimento inédito na Madeira, que pretende ouvir as pessoas não só frente a frente, como também em formatos diferente”.

“Teremos aplicações e plataformas digitais onde os madeirenses poderão dar contributos e sugestões, participando na construção daquele que é um programa eleitoral inovador, que queremos que seja o Programa de Governo onde os madeirenses se revejam”, explicou.

Hoje foram abordados temas como o custo de vida, a fiscalidade, os baixos salários, a falta de diversificação da economia, a habitação, a educação, as questões sociais, a saúde, a emigração, os desafios da juventude e o despovoamento da costa norte.

“Auscultar a sociedade civil é absolutamente prioritário”, concluiu Sérgio Gonçalves.

Recomendadas

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.
Comentários