PS-Madeira acusa PSD de atrasar obras no novo Hospital Central

Carlos Pereira, cabeça de lista do PS-Madeira à Assembleia Nacional, considera que “foi graças ao Governo Socialista que foi possível assegurar o cofinanciamento de 50% dos custos do novo Hospital da Madeira”, acusando o PSD de não ter se preocupado em avançar com as obras no seu devido tempo, considerando as “más condições” do hospital atualmente em funcionamento.

O candidato do Partido Socialista-Madeira (PS) às legislativas nacionais, Carlos Pereira, acusou o Governo Regional PSD/CDS de ter causado o atraso no arranque da obra do novo Hospital Central da Madeira.

Carlos Pereira considera que “foi graças ao Governo Socialista que foi possível assegurar o cofinanciamento de 50% dos custos do novo Hospital da Madeira”, acusando o PSD de não ter se preocupado em avançar com as obras no seu devido tempo, considerando as “más condições” do hospital atualmente em funcionamento.

Em declarações prestadas à margem de uma visita à zona onde decorrem as obras do novo hospital, a candidatura do PS-Madeira frisou que foram os partidos da oposição, juntamente com um esforço de mobilização dos cidadãos madeirenses, e das instituições ligadas à saúde, que “foi possível colocar em cima da mesa a ideia de fazer um novo hospital como um aspeto central para uma mudança do Serviço Regional de Saúde”.

Tendo o PS, desde a primeira hora, assumido o compromisso de fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para garantir um cofinanciamento da República a essa infraestrutura. “Nunca ouvi, em nenhuma circunstância, o PSD dizer que faria esse esforço no plano nacional junto da Assembleia da República ou junto do seu Governo (entre 2012 e 2015)”, sublinhou.

“Nunca ouvi, em nenhuma circunstância, o PSD dizer que faria esse esforço no plano nacional junto da Assembleia da República ou junto do seu Governo [entre 2012 e 2015]”, sublinhou Carlos Pereira, o que contrasta com o “compromisso” assumido pelo PS de “fazer tudo o que estivesse ao seu alcance para garantir um cofinanciamento da República a essa infraestrutura”.

O candidato do PS-Madeira à Assembleia Nacional lembrou ainda que, em 2016, escreveu um artigo com vista à comparticipação do Estado nas obras do novo hospital em 50%, artigo esse que foi aprovado por António Costa e que, desde então, o financiamento tem estado sempre presente em todos os Orçamentos de Estado. Tal não tem vindo a acontecer no Orçamento Regional de 2016, 2017 e 2018, apontou.

“Eu disse que estes atrasos iriam levar a que a obra do novo hospital, que devia ter começado em 2017, só começassem em 2020 e foi isso que aconteceu”, avisou o candidato, acrescentado ainda que “o PSD travou a construção dessa obra porque não fez a sua parte nessa matéria”.

Recomendadas

Madeira gera défice de 105 milhões de euros

Até agosto a região teve uma receita de 807,7 milhões de euros para uma despesa de 913,2 milhões de euros.

Madeira vê receita aumentar 8% e despesa a subir 18%

Em agosto a região teve um défice de 35 milhões de euros.

Miguel Gouveia: “Vejo muitas pessoas a discutir lugares e pouca gente a discutir a Madeira do futuro”

O antigo presidente da Câmara do Funchal mostra-se disponível para uma solução governativa, liderada pelo PS, na Madeira, mas diz que mais do que falar em lugares é preciso criar uma planificação daquilo que se pretende para a Madeira, ter uma abertura grande à sociedade civil, auscultar todos os sectores, e encontrar propostas robustas e consensuais.
Comentários