PS-Madeira exige medidas para apoiar as famílias

Rui Caetano não deixou também de alertar para o empobrecimento progressivo da classe média.

O líder parlamentar do PS-Madeira criticou, esta segunda-feira, a falta de estratégia do Governo Regional em relação ao problema da pobreza, realçando que, durante anos, o Executivo sempre negou esta realidade na Região e só agora, já tardiamente, anuncia a realização de um estudo sobre este fenómeno.

Em conferência de imprensa realizada esta manhã, Rui Caetano garantiu que o PS concorda com a realização deste estudo, considerando que o mesmo é importante para conhecer a realidade social da Região Autónoma da Madeira, bem como para conhecer os contextos, os fatores e a evolução da pobreza, de modo a que seja possível intervir de forma adequada e retirar as pessoas desta situação.

“Esse estudo é fundamental, mas quem, ao longo de todos estes anos, sempre negou a existência de pobreza na Região foram o Governo Regional e os partidos da maioria”, referiu o dirigente socialista, sublinhando que este diagnóstico “já devia ter sido feito há muitos anos, para fazer com que aqueles 83 mil madeirenses que estão em risco de pobreza e exclusão social pudessem sair desta situação dramática em que se encontram”.

No entender de Rui Caetano, isto é revelador do “ziguezague” e da “teoria da negação” do Executivo, já que, há cerca de um mês, “o Governo apresentou uma Estratégia Regional de combate à Pobreza e só depois da apresentação da estratégia é que vai realizar o estudo”. Ou seja, a estratégia será desenvolvida sobre uma realidade que o Governo Regional não conhece como deveria conhecer, sendo que o mesmo “vai intervir de uma forma não estruturada, coordenada e adequada, como o estudo naturalmente poderá vir a revelar”.

Por outro lado, Rui Caetano não deixou também de alertar para o empobrecimento progressivo da classe média. “É necessário um conjunto de medidas políticas eficazes e imediatas para ajudar esta classe média que está cada vez mais próxima, e alguma dela a entrar, no limiar da pobreza. É preciso intervir, em vez de propagandear um conjunto de medidas que não vêm resolver em nada o problema destas pessoas”, afirmou, dando conta das dificuldades que as mesmas, apesar de terem um salário no final do mês, estão a sentir com o aumento da inflação e das taxas de juro.

“Este Orçamento Regional não tem uma única medida para apoiar estas famílias”, afirmou o deputado, acusando o Governo de negar o empobrecimento da classe média e de não implementar soluções para valorizar os salários dos madeirenses.

“Este orçamento é uma desilusão e prova a estratégia do Governo Regional, que foi o endividamento constante da Região”, sustentou, dando conta do facto de a dívida da Região ser de mais de cinco mil milhões de euros e de, só no próximo ano, o documento reservar mais de 400 milhões de euros para pagamento da mesma.

Adiantou ainda que o PS está a preparar um conjunto de propostas para colmatar as áreas que estão a ser desvalorizadas neste orçamento, nomeadamente no que se refere ao apoio aos mais vulneráveis e à classe média, bem como nos sectores da educação, da saúde e da economia.

Recomendadas

Madeira: Movimento de passageiros nos aeroportos ficaram a mais de 30% acima dos valores de 2019

Entre janeiro e setembro de 2022, o movimento de passageiros nos aeroportos da RAM foi de aproximadamente 3.062,5 mil, significando um acréscimo homólogo de 134% e de 17% face aos valores registados nos primeiros nove meses de 2019. 

Madeira com défice de oito milhões de euros

À semelhança do ano anterior, mais de metade da despesa (51,9% da despesa total) foi canalizada para a área social, onde se destaca o sector da Saúde com uma execução orçamental de 280,3 milhões de euros e a Educação com 296,5 milhões de euros.

Governo Regional da Madeira investe mais de 80 milhões de euros em medicamentos

O envelhecimento demográfico, as doenças crónicas e a introdução de novos medicamentos aumentam as necessidades em saúde, a que o Serviço Regional de Saúde procura responder, sendo que existem doentes que exigem investimentos entre 20 mil a 500 mil euros.
Comentários