PS preocupado com despedimento de 150 trabalhadores da fábrica Triumph

Empresa de têxtil TGI – Gramax prepara despedimento de trabalhadores no âmbito de uma reestruturação interna. Deputados socialistas reclamam medidas do ministro da Economia para evitar redução dos postos de trabalho na antiga fábrica da Triumph em Loures.

Foto cedida

O grupo parlamentar do PS está preocupado com o despedimento de 150 trabalhadores da fábrica da Triumph, detida pela  fundo suíço Gamax Capital. Os deputados socialistas consideram que a concretização desta decisão, para além do impacto para o país, tem um impacto “extremamente nefasto” no concelho de Loures, onde esta empresa está sediada. E exigem a intervenção do ministro da Economia  para evitar a redução destes postos de trabalho.

“Os deputados do PS Ricardo Leão, Susana Amador, Diogo Leão e Vitalino Canas estão preocupados com a possibilidade de haver uma redução de 150 postos de trabalho na unidade fabril Triumph, agora detida pela Têxtil Gramax Internacional, no concelho de Loures, avança o grupo parlamentar do PS em comunicado.

A TGI-Gramax, que está sediada na freguesia de Sacavém, concelho de Loures (distrito de Lisboa), tinha adquirido no inicio de 2017 uma fábrica da Triumph (roupa interior feminina) e emprega atualmente 463 trabalhadores. No início do ano, o novo dono da antiga fábrica da Triumph, o fundo suíço Gamax Capital, anunciou que iria investir um milhão de euros nesta  unidade fabril que  tem um volume de negócios anual de 20 milhões de euros.

Os deputados socialistas lembram que o Governo, em particular o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral,

tem-se pautado por “uma política de proximidade e de acompanhamento constante” do tecido empresarial, dando como exemplo o esforço do governante em manter os 500 postos de trabalho quando se deu a transição da unidade fabril Triumph para a Têxtil Gramax Internacional, colocando um fim no “perigo real” de a unidade encerrar.

No entanto, os deputados tiveram conhecimento, através dos trabalhadores e sindicato representante do setor, de que a administração da Têxtil Gramax Internacional alega não ter carteira de clientes para fazer face aos custos existentes. Muitos dos funcionários encontram-se em casa há já algum tempo por não existir fluxo de trabalho.

“Face a esta realidade, a empresa apresentou um plano de reestruturação, que aponta para a redução de 150 postos de trabalho, criando fortes e legítimas preocupações aos trabalhadores e ao seu futuro, que ficam lesados no seu legítimo direito constitucional ao trabalho”, explicam os deputados numa pergunta dirigida ao Ministério da Economia.

Em comunicado,os quatro parlamentares salientam ainda que  “a concretização desta decisão, para além do impacto para o país, tem um impacto extremamente nefasto no concelho de Loures, onde esta empresa está sediada e onde reside grande parte dos seus trabalhadores”.

Assim, Ricardo Leão, Susana Amador, Diogo Leão e Vitalino Canas questionaram ao ministro da Economia quais as medidas que podem ser adotadas para evitar a redução destes postos de trabalho. Os deputados socialistas perguntaram ainda que medidas de apoio a esta unidade fabril podem ser desenvolvidas, utilizando todos os mecanismos de apoio estatal, para inverter esta realidade.

Loures aprovou moção a contestar eventuais despedimentos

A 22 de novembro, a Câmara Municipal de Loures aprovou uma moção que pretende contestar, junto do Governo, a intenção da empresa de têxtil TGI – Gramax vir a despedir 150 trabalhadores no âmbito de uma reestruturação interna.

O documento foi aprovado por maioria absoluta pelo executivo municipal liderado pelo comunista Bernardino Soares. Segundo adiantou o autarca, a empresa justifica esta medida com a “falta de clientes”.

“A ser verdade esta medida terá um impacto muito grande na economia do concelho de Loures. A Gramax é atualmente a maior empregadora do concelho e estamos muito preocupados”, sublinhou, na altura, o autarca.

Em agosto de 2015, o grupo alemão Triumph comunicou que iria vender a fábrica em Portugal, a única na Europa, para “evitar ou limitar redundâncias”. O grupo alemão estava instalado no concelho de Loures desde 1961.

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários