PS prevê défice de 3,1%

“Se a execução orçamental deste último trimestre for igual à do ano passado (défice de 1,9%)”, adverte Paulo Trigo Pereira


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O deputado socialista Paulo Trigo Pereira advertiu que se a execução orçamental do último trimestre deste ano for igual à do mesmo período de 2014, o défice ficará em 3,1%, perspetiva totalmente rejeitada pelo PSD.

“A saída ou não do procedimento dos défices excessivos, que almejamos, depende do comportamento deste último trimestre, do qual dois meses são ainda da responsabilidade do anterior executivo e apenas o último do atual Governo”, defendeu o economista e deputado independente do PS na sua intervenção em plenário.

De acordo com o professor universitário, “se a execução orçamental deste último trimestre for igual à do ano passado (défice de 1,9%), teremos um défice excessivo de 3,1%”.

“O PS reconhece a importância de se evitar um défice excessivo já em 2015, tem vontade política de o alcançar e tudo fará para o conseguir. Porém, há que reconhecer que representa enorme exigência de consolidação orçamental neste último mês, a exiguidade de tempo e de soluções que o Governo tem para alcançar”, justificou.

O dirigente da bancada do PSD António Leitão Amaro contrariou em absoluto esta interpretação dos mais recentes indicadores macroeconómicos nacionais, sustentando mesmo que, tanto a Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), como o Banco de Portugal, “concluem que Portugal vai ter no final do ano um défice inferior a três por cento”.

OJE

Recomendadas

Novas tabelas de retenção já estão publicadas. Saiba quanto vai descontar de IRS todos os meses de 2023

Já estão publicadas as tabelas de retenção na fonte para 2023: no primeiro semestre, vai aplicar-se o modelo atual, mas com taxas atualizadas. E no segundo semestre, as taxas passarão a ser marginais, para evitar regressividade.

Comércio a retalho caiu 2,7% na zona euro e 2,4% na UE em outubro

Em Portugal registou-se um crescimento de 1,2% no que respeita ao volume do comércio a retalho, em outubro, face ao mesmo mês do ano passado, de acordo com os dados do Eurostat.

Unidades Comerciais de Dimensão Relevante diminuíram 0,3% em 2021, mas houve recuperação face a 2019

Comparativamente a 2019, verificou-se uma recuperação no número de estabelecimentos (+1,1%), no volume de negócios (+0,4%) e no volume de vendas (+0,6%) destas unidades. Contudo, quer o pessoal ao serviço quer o número de transações mantiveram-se ainda, no ano passado, abaixo do pré-pandemia (-2,4% e -12,7%, respetivamente).