PS propõe coima de 20 euros por dia a senhorios nos casos de assédio a inquilinos

O grupo parlamentar do PS quer punir os senhorios nos casos de assédio a inquilinos para que desocupem as casas arrendadas, propondo uma coima de 20 euros por dia até que a situação seja corrigida.

Esta “sanção pecuniária compulsória” por assédio no arrendamento aumenta para 30 euros por dia quando o arrendatário tenha idade igual ou superior a 65 anos ou grau comprovado de deficiência igual ou superior a 60%, segundo a iniciativa do PS, datada de 10 de dezembro e consultada hoje pela agência Lusa.

A proposta socialista foi apresentada como uma alteração ao projeto de lei do BE que estabelece a punição contraordenacional por assédio no arrendamento, cuja votação indiciária está agendada para sexta-feira, no âmbito do grupo de trabalho da Habitação, Reabilitação Urbana e Políticas de Cidades, na Assembleia da República.

“Encaramos de forma positiva os contributos do PS para o nosso projeto de lei sobre o assédio no arrendamento […], que densificam os procedimentos para que os inquilinos possam responder ao assédio”, declarou à Lusa o deputado do BE Pedro Soares, considerando que a pressão exercida pelos senhorios sobre os arrendatários é “uma forma de despejo sem qualquer legitimidade e que se tem multiplicado com fins especulativos”.

Neste âmbito, o BE e o PS concordam com a proibição do assédio no arrendamento ou no subarrendamento, entendendo-se como tal “qualquer comportamento ilegítimo do senhorio, de quem o represente ou de terceiro interessado na aquisição ou na comercialização do locado, que, com o objetivo de provocar a desocupação do locado, perturbe, constranja ou afete a dignidade do arrendatário, subarrendatário ou das pessoas que com estes residam legitimamente no locado, os sujeite a um ambiente intimidativo, hostil, degradante, de perigo, humilhante, desestabilizador ou ofensivo, ou impeça ou prejudique gravemente o acesso e a fruição do locado”.

Na proposta do BE, a prática de assédio constitui contraordenação, sendo punida: “com coima no montante mínimo de 500 euros e máximo de 2.000 euros quando limitar o acesso ou fruição do locado ou das partes comuns do imóvel; com coima no montante mínimo de 2.000 euros e máximo de 10.000 euros quando inibir o acesso ou fruição do locado ou partes do mesmo ou das partes comuns do imóvel e/ou puser em risco a saúde dos arrendatários; com coima no montante mínimo de 10.000 euros e máximo de 30.000 euros quando prejudicar gravemente a saúde dos arrendatários e/ou puser em risco a sua segurança”.

Os limites mínimos e máximos das coimas “são elevados em 1/3 quando se verificar uma prática reiterada de assédio no arrendamento ou no subarrendamento e/ou a vítima seja maior de 65 anos ou portador de grau de incapacidade superior a 60%”, sugeriram os bloquistas, acrescentando que a prática de assédio é ainda punida com a sanção acessória de “perda do direito ao valor da renda, enquanto o comportamento não for corrigido pelo senhorio”.

Já a iniciativa do PS determina coimas diárias no valor de 20 euros, que aumenta para 30 euros se os arrendatários forem pessoas idosas ou com deficiência, sanções que se aplicam a partir do final do prazo de 30 dias que os senhorios têm, a contar da receção da intimação realizada pelos inquilinos, para “demonstrar a adoção das medidas necessárias para corrigir a situação visada ou expor as razões que justifiquem a não adoção do comportamento pretendido pelo arrendatário”, até que o senhorio demonstre ao arrendatário o cumprimento da intimação ou, em caso de incumprimento, até que seja decretada a injunção contra o senhorio, destinada a corrigir a situação exposta na intimação.

Independentemente da apresentação da intimação contra o senhorio, “o arrendatário pode requerer à câmara municipal competente a realização de uma vistoria ao locado […], a qual possui natureza urgente e deve ser realizada no prazo máximo de 20 dias, devendo o respetivo auto ser emitido até 10 dias após a sua realização”, de acordo com a proposta dos socialistas.

Recomendadas

CBRE junta-se à APPC e à ADENE para reduzir o consumo de energia

“Os centros comerciais integrados no portefólio de gestão da CBRE estão já a reduzir o horário de funcionamento da iluminação decorativa e publicitária interior e exterior para efeitos de poupança de energia, a usufruir da luz natural dos edifícios e a regular a temperatura dos equipamentos de climatização interior”, revela a consultora.

PremiumPortugueses dominam em projeto de luxo em Cascais

Sandwoods conta com 39 villas com preços que atingem os 2,8 milhões de euros. Projeto deverá estar concluído em 2024, mas sector da construção civil enfrenta falta de mão-de-obra e demora no fornecimento de material.

PremiumFranceses investem até 45 milhões de euros no Barreiro

‘Ja-Ba’ (Jardim Barreiro) está a cargo da dupla de promotores Maxime Tellier e Renauld de L’Hermite, que está presente em Portugal desde o ano de 2014. “O nosso objetivo é muito claro. Fazer um projeto para os portugueses”, assumem.
Comentários