PS rejeita “bodes expiatórios” e pede apuramento de responsabilidades pela morte de Ihor Homeniuk

O deputado Pedro Bacelar de Vasconcelos considera que o caso da morte do cidadão ucraniano, no aeroporto de Lisboa, não será resolvido com o “sacrifício de bodes expiatórios” e que, para se evitar que novos crimes “nefandos” como este aconteçam, é preciso reforçar a “cultura democrática”.

O Partido Socialista (PS) defendeu esta quarta-feira que se apure “até ao fim” as responsabilidades pela morte do cidadão ucraniano Ihor Homeniuk, em março, no aeroporto de Lisboa. O deputado Pedro Bacelar de Vasconcelos considera que o caso não será resolvido com o “sacrifício de bodes expiatórios” e que, para se evitar que novos crimes “nefandos” como este aconteçam, é preciso reforçar a cultura democrática.

“É preciso levar até ao fim o apuramento de todas as responsabilidades. É fácil encontrar bodes expiatórios mas não é com o sacrifício dos bodes expiatórios que conseguimos compreender como é possível acontecer o crime nefando que aconteceu”, defendeu Pedro Bacelar de Vasconcelos, em resposta a uma declaração política da líder parlamentar do PAN, Inês Sousa Real, sobre a morte de Ihor Homeniuk.

Pedro Bacelar de Vasconcelos classificou o crime que vitimou Ihor Homeniuk, nas instalações do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) no aeroporto de Lisboa, como de “extraordinária gravidade” e disse que a situação “releva insuficiências e deficiências de cultura política e democrática que têm de ser devidamente consideradas no tratamento pontual do caso em curso”.

Segundo o Ministério Público, o cidadão ucraniano terá sido vítima do crime de homicídio por parte de três inspetores do SEF, com a alegada cumplicidade de outros 12 inspetores.

“A questão dos direitos humanos não é uma questão utópica, pontual, dos últimos dias, meses ou anos. É uma preocupação permanente e é parte essencial na construção do Estado de direito e da democracia constitucional de que nós [deputados] somos representantes”, salientou.

Bacelar de Vasconcelos acrescentou que é preciso “tomar as medidas que, ao nível do SEF, do Governo, da Presidência da República e deste Parlamento, são indispensáveis para tornar cada vez mais difícil que voltem a ocorrer situações como esta”, e garantiu que, da parte do grupo parlamentar socialista, haverá um “empenhamento sério e construtivo” na defesa dos direitos humanos.

Sobre a atuação do Governo, reconhece que “foi lento” em agir e apurar responsabilidades e que “essa lentidão perturba-nos a todos”, mas defende que é preferível “avançar com passos seguros para resolver as coisas a sério, em vez de explorar a espuma dos dias com mais um fait divers que vai ser esquecido na próxima oportunidade”.

Relacionadas

MAI: diretor da PSP deve “cingir as suas intervenções a matérias da sua estrita competência”

Questionado sobre os comentários feitos pelo diretor nacional da PSP sobre a fusão daquela autoridade com o SEF, Eduardo Cabrita Mendes considera que “a PSP e outras forças de segurança devem cingir as suas intervenções públicas a matérias da sua estrita competência operacional”. 

SEF: Eduardo Cabrita garante que não há “contradição nenhuma” na investigação do caso da morte de cidadão ucraniano

O ministro das Administração Interna garante que a cronologia apresentada na comissão parlamentar do caso da morte de Ihor Homeniuk não apresenta incoerências e que “não há contradição nenhuma entre” as datas referidas. Eduardo Cabrita espera que indemnização à família do cidadão ucraniana seja feita”com justiça, num prazo muito curto”.

SEF: Chega e Iniciativa Liberal acusam Eduardo Cabrita de mentir e pedem demissão do MAI

Os deputados do Chega e da Iniciativa Liberal pediram a demissão de Eduardo Cabrita do ministério da Administração Interna durante a audição na comissão parlamentar que está a debater a morte de Ihor Homeniuk, há nove meses, nas instalações do SEF. Ambos os deputados acusaram o ministro de mentir em todo o processo do SEF.
Recomendadas

JMJ. Rui Rocha contra “obras faraónicas de utilidade duvidosa”

O novo presidente da IL, Rui Rocha, pede “bom senso” na gestão da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e lembra que está em causa o dinheiro dos contribuintes, defendendo que “obras faraónicas de utilidade duvidosa” não fazem sentido.

Rui Rocha: Voto na IL é o único garante que PS sai do poder e que Chega não entra

O novo presidente da IL defende que o voto nos liberais é “o único” que “garante que o PS sai do poder e que o Chega não entra” e desafia o PSD a abrir o jogo sobre entendimentos pós-eleitorais.

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.
Comentários