PSD considera cautelosa previsão de Bruxelas sobre receitas fiscais

O PSD considera que as mais recentes previsões de Bruxelas são “cautelosas”, sobretudo ao nível das estimativas de receitas fiscais, razão pela qual é credível a projeção do Governo de défice inscrita no Orçamento para 2015. Pedro do O Ramos, vice-presidente da bancada social-democrata, falava após a divulgação das previsões de outono da Comissão Europeia, […]

O PSD considera que as mais recentes previsões de Bruxelas são “cautelosas”, sobretudo ao nível das estimativas de receitas fiscais, razão pela qual é credível a projeção do Governo de défice inscrita no Orçamento para 2015.

Pedro do O Ramos, vice-presidente da bancada social-democrata, falava após a divulgação das previsões de outono da Comissão Europeia, estimando que Portugal tenha um défice de 3,3% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, acima dos 2,7% inscritos pelo Governo na proposta de Orçamento do Estado para 2015, o que a concretizar-se manterá o país sujeito a um Procedimento de Défice Excessivo.

De acordo com o dirigente do PSD, o Governo “já garantiu que o cumprimento do défice será alcançado” no próximo ano.

“Estamos perante uma orientação de Bruxelas, mas salientamos o facto de a principal divergência se relacionar com o cumprimento das receitas fiscais, porque a Comissão Europeia revela-se muito cautelosa. Como sabemos, em 2014, no que respeita ao combate à evasão fiscal, Portugal conseguiu uma enorme receita fiscal, o que de alguma forma tem sido um aspeto muito significativo”, sustenta.

O dirigente do Grupo Parlamentar do PSD critica também a oposição, alegando que “tem-se enganado sistematicamente nas previsões, designadamente o PS que esta legislatura não acertou uma única previsão”.

“O Orçamento do Estado vai ser implementado a partir de janeiro e o PS, ao contrário do Governo, não tem credibilidade nenhuma para falar de metas orçamentais”, acrescenta Pedro do O Ramos.

OJE/Lusa

Recomendadas

Leão vê PIB a crescer acima de 6% este ano e desaceleração em 2023

O antigo ministro das Finanças João Leão acredita que o crescimento do PIB português poderá superar 6% este ano, mas aponta para uma desaceleração em 2023, com uma estagnação ou mesmo recessão na zona euro, defendendo uma estratégia prudente.

Respostas Rápidas: como pode aceder ao complemento solidário para idosos ou outras pensões?

A propósito do Dia Internacional do Idoso e dado o envelhecimento cada vez maior da sociedade portuguesa, importa compreender como podem os contribuintes aceder a vários apoios disponibilizados pela Segurança Social.

Preços do gás e da eletricidade para as famílias sobem a partir de hoje

Os aumentos de preços do gás natural e da eletricidade para os clientes domésticos, no mercado regulado e no liberalizado, entram hoje em vigor, o que, em alguns casos, vai pesar quase mais 40 euros na fatura mensal.