PSD defende que combate ao desemprego tem sido uma marca do Governo Regional

Os sociais democratas dizem que as políticas de emprego já abrangeram mais de 14 mil pessoas.

Para o PSD o combate ao desemprego tem sido uma das marcas do Governo Regional. A sustentar a afirmação está a descida de 48% na taxa de desemprego, nos últimos três anos, que através de políticas activas do Instituto de Emprego abrangeram mais de 14 mil pessoas, adiantou José Prada, deputado social democrata.

“O Governo Regional tem tido uma política junto aos mais necessitados, aos mais jovens, aos desempregados de longa duração e aqueles que querem criar o seu próprio emprego”, realçou José Prada.

O PSD acrescentou que nesses três anos foi possível aprovar 278 novas empresas, a 485 novos postos de trabalho, assim como 2.608 novos postos de trabalho, ao abrigo do Programa de Incentivo à Contratação, à integração de 3.553 pessoas nos programas de estágios profissionais e no PROJOVEM, e mais 600 pessoas através do Programa Reativar.

O deputado social democrata diz que esta estratégia é para continuar, acrescentando que o Governo Regional “fez o melhor Orçamento de todos os tempos, pelo seu carácter social e preocupação com a população”.

Recomendadas

PS critica oportunidades perdidas do Governo da Madeira para renovar frota pesqueira e considera apoios insuficientes

O PS acusa o Governo Regional de ter as prioridades erradas e critica o executivo por não ter usadas verbas de fundos comunitários e do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) para a renovação da frota pesqueira de peixe-espada preto.

Presidente da Câmara do Funchal quer canalizar apoios para quem mais precisa e abranger mais pessoas

O autarca acrescentou “que mais importante do que dar o peixe é ensinar a pescar”, o que “obriga-nos a dar condições às pessoas para produzirem mais e melhor, e sermos mais justos com quem realmente precisa”.

Madeira: PTP expressa preocupação com programa de recuperação de cirurgias

O partido defende a alocação de mais recursos para os programas de recuperação de cirurgias, e considera que este deveria ser “eficiente e servir os seus objetivos de recuperação e não contribuir para agravar e desestabilizar o que está funcionando bem na saúde”.
Comentários