PSD devolve 500 mil euros à Assembleia da República

Em causa está uma subvenção recebida em excesso no âmbito das eleições autárquicas de 2013. Há ainda uma verba por liquidar, mas o partido irá fazê-lo assim que fizer o acerto de contas.

O Partido Social Democrata (PSD) informou esta quinta-feira que devolveu voluntariamente à Assembleia da República (AR) uma verba de 500 mil euros relativa a uma subvenção recebida em excesso no âmbito das eleições autárquicas de 2013.

Ainda que a irregularidade tenha sido identificado há vários anos, o partido liderado por Rui Rio ainda não tinha devolvido o montante, pelo que o fez no passado dia 29 de novembro. “Tal só foi possível em resultado da gestão controlada das contas do Partido que nos últimos dois anos estabilizaram os recursos financeiros disponíveis do PSD”, refere o PSD, em comunicado.

Na nota tornada pública esta manhã, o PSD adianta também que ainda existe uma verba remanescente por liquidar, e garante que o irá fazer assim que for feito o acerto das contas dessa subvenção recebida em excesso, e que propôs já que fosse deduzida mensalmente e diretamente na subvenção estatal que recebe da AR.

“O PSD continua alinhado na redução do seu passivo financeiro, no cumprimento das suas obrigações e, em especial, neste caso, na devolução voluntária de montantes que pertencem aos contribuintes e que foram então recebidos em excesso”, assegura o partido.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários