PSD diz que Marcelo entenderá que Costa “não tem bom senso” se não aplicar questionário ao Governo

Numa declaração política no parlamento, o deputado Miguel Santos abordou o questionário – aprovado pelo Governo em 12 de janeiro – de verificação prévia a preencher por convidados para ministros ou secretários de Estado com 36 perguntas, que abrange os últimos três anos de atividades e se estende ao agregado familiar.

O PSD afirmou hoje que o primeiro-ministro não terá bom senso se não aplicar o questionário para candidatos a governantes aos atuais membros do executivo, defendendo que este será também o entendimento do Presidente da República.

Numa declaração política no parlamento, o deputado Miguel Santos abordou o questionário – aprovado pelo Governo em 12 de janeiro – de verificação prévia a preencher por convidados para ministros ou secretários de Estado com 36 perguntas, que abrange os últimos três anos de atividades e se estende ao agregado familiar.

Nos últimos dias, o Presidente da República tem defendido que o questionário para candidatos a governantes também se aplica a quem já está em funções, por “bom senso cívico”, realçando que abrange matérias não cobertas pela declaração de rendimentos e património.

“O Presidente da República fala em bom senso, diz que o primeiro-ministro tem de ter bom senso e o bom senso é atingido se primeiro-ministro submeter todos os membros do Governo ao dito questionário. Se não o fizer, é um primeiro-ministro – na qualificação do Presidente da República – sem bom senso”, acusou Miguel Santos.

Na quarta-feira, interrogado se os atuais membros do Governo devem também preencher o inquérito de 36 perguntas, António Costa alegou não haver necessidade disso.

Segundo o primeiro-ministro, os atuais membros do Governo “já cumpriram essas obrigações” através das declarações de rendimentos e património e “se houver algum problema o Tribunal Constitucional, o Ministério Público ou a Assembleia da República tomarão as medidas adequadas”.

Miguel Santos questionou “de que tem medo António Costa”, desafiando o primeiro-ministro a esclarecer se “não tem confiança nos seus membros do Governo e nas escolhas que fez”.

Na fase de pedidos de esclarecimento, o deputado do PS André Pinotes Baptista defendeu que o questionário “é um mecanismo de aferição que permite robustecer as instituições democráticas” e desafiou o presidente do PSD a aplicá-lo a si próprio.

“Talvez fosse interessante que o dr. Luís Montenegro fizesse ele próprio essa autoavaliação para ver se reúne condições para ser primeiro-ministro deste país. Nós achamos que os portugueses não lhe vão conferir essa responsabilidade, mas pelo sim, pelo não…”, sugeriu.

Rui Tavares, pelo Livre, e Rui Afonso, pelo Chega, insistiram na necessidade de sujeitar os membros do Governo a audições parlamentares prévias enquanto a porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, disse que entregará uma iniciativa para que seja mais transparente a atribuição de benefícios fiscais pelos governantes.

“Não queremos ter nenhuma alternativa ao mecanismo, a Constituição é muito clara, o primeiro-ministro propõe e o Presidente da República nomeia. O problema é que o país tem agora um primeiro-ministro que não tem esta capacidade, não consegue apresentar um Governo, substituir ministros e secretários de Estado”, respondeu o deputado do PSD Miguel Santos.

Pelo PCP, a líder parlamentar Paula Santos defendeu que o questionário aprovado pelo Governo não resolve “o problema de fundo da subordinação das opções políticas aos interesses dos grupos económicos”, enquanto o presidente da bancada da IL, Rodrigo Saraiva, resumiu o mecanismo do Governo com um ditado popular: “Depois de casa roubada, trancas na porta”.

Recomendadas

A polémica com os custos da reconversão do antigo Hospital Militar de Belém

Em agosto de 2021, o Governo decide manter o antigo Hospital Militar de Belém sob o domínio das Forças Armadas e o ministro vinca que o objetivo de estabelecer uma unidade de cuidados continuados neste hospital se mantém.

Governo equaciona ter adidos de Segurança Social nos Estados Unidos da América

“É a primeira vez que estamos a fazer a divulgação do programa Regressar nos Estados Unidos. Temo-lo feito noutros países, essencialmente europeus, e procuramos fazê-lo agora também junto de outras comunidades portuguesas pelo mundo. Cerca de 15.680 famílias já foram abrangidas pelo programa”, disse a ministra, fazendo um ponto geral da situação.

Cravinho volta hoje ao parlamento para dar explicações sobre antigo Hospital Militar de Belém

No requerimento, apresentado na sequência das investigações judiciais no âmbito da operação “Tempestade Perfeita”, o PSD avança com um conjunto de 30 perguntas envolvendo o processo de reconversão do antigo Hospital Militar de Belém num centro de apoio à covid-19, cujos custos provocaram polémica ao terem aumentado de 750 mil euros para cerca de 3,2 milhões.
Comentários