PSD diz que mensagem de Costa faz crer que só pandemia corre mal no país

Ao fazer uma análise sobre o momento atual que o país vive, o governante deu a ideia de que “os males da economia, da saúde e da educação” têm todos que ver com a pandemia, sublinhou o social-democrata.

Flickr/PSD

O vice-presidente do PSD André Coelho Lima classificou hoje de “contida, geral e abstrata” a mensagem de Natal do primeiro-ministro, por incidir “apenas e só” na pandemia, como se devesse apenas à covid aquilo que corre mal no país.

“Ao incidir a mensagem apenas e só na pandemia e numa análise geral sobre os efeitos desta, o senhor primeiro-ministro permite que passe a impressão que o que esteja a correr mal no nosso país se deve apenas e só aos efeitos diretos ou indiretos da pandemia e, todos sabemos, não ser verdade”, afirmou, numa declaração na sede do PSD do Porto.

Ao fazer uma análise sobre o momento atual que o país vive, o governante deu a ideia de que “os males da economia, da saúde e da educação” têm todos que ver com a pandemia, sublinhou o social-democrata.

“Passou a ideia de que a pandemia é o mal principal no nosso país, mas isso não é verdade”, vincou.

André Coelho Lima entendeu que o agradecimento que Costa fez aos profissionais de saúde devia ter sido “em dobro” porque muitas das “difíceis condições” que eles estão a viver nos hospitais e centros de saúde e muitas das demissões em bloco não são consequência da covid-19, mas sim das condições de trabalho em que se encontram.

Na sua opinião, ficou a faltar uma mensagem sobre o que é necessário fazer daqui para a frente.

“O senhor primeiro-ministro é quem tem a função, a obrigação e o dever por força das funções que exerce de também conduzir o país e, digamos que, faltou uma mensagem no sentido do que fazer para além daquilo que analisou”, reforçou.

Em jeito de conclusão, o vice-presidente do PSD salientou ter sido uma mensagem “contida e abstrata”, nomeadamente devido ao período pré-eleitoral.

O primeiro-ministro salientou hoje que a guerra contra a covid-19 ainda não acabou, considerou que é fundamental prosseguir o reforço vacinal em Portugal e elogiou o trabalho “inexcedível” dos profissionais de saúde e a resposta do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Estas posições foram transmitidas por António Costa na sua tradicional mensagem de Natal, que disse ser este ano mais contida do ponto de vista político por se estar em período pré-eleitoral.

Na sua sétima mensagem de Natal desde que exerce as funções de primeiro-ministro, António Costa fez um rasgado elogio à forma como os profissionais de saúde têm estado empenhados no combate à covid-19.

Relacionadas

Costa afirma que a guerra ainda não acabou e é essencial prosseguir reforço vacinal

Estas posições foram transmitidas por António Costa na sua tradicional mensagem de Natal, que disse ser este ano mais contida do ponto de vista político por se estar em período pré-eleitoral.
André Ventura

Chega diz que Costa mostrou “incapacidade” de se responsabilizar por problemas

O líder do Chega criticou também que “o Governo de António Costa foi responsável pelo desastre” dos setores que elogiou e “vem agora saudá-los como se o seu esforço tivesse sido também acompanhado pelo esforço do Governo”.

BE diz que se esperava mais de mensagem de Costa e lamenta ausência de outros temas

“António Costa teve um discurso monotemático num momento em que os desafios do país são variados”, afirmou o líder parlamentar bloquista num vídeo enviado às redações.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.

Susana Coroado: “Há uma tolerância dos portugueses para com o conceito de ‘rouba mas faz'”

Políticos escondidos atrás da lei sem conseguir construir pontes de confiança com os cidadãos e eleitores com um alto grau de tolerância ao conceito de “rouba mas faz”. Susana Coroado, uma das coordenadoras do estudo “Ética e integridade na política”, da Fundação Francisco Manuel dos Santos, explica nesta “Fast Talk” as principais conclusões apuradas de inquéritos a políticos e eleitores.

Montenegro acusa PS de pôr “pessoas ao serviço do Estado”

O líder social-democrata, Luís Montenegro, considerou no domingo que a característica da governação socialista de ter “as pessoas ao serviço do Estado” é o contrário da visão política de Francisco Sá Carneiro que esteve na génese do PSD.
Comentários