PSD e CDS-PP vão juntos às presidenciais

A proposta de acordo de Governo entre PSD e CDS-PP inclui um “compromisso de diálogo” para uma “posição comum” sobre as presidenciais de 2016 e a consulta mútua relativamente a outros atos eleitorais que ocorram na presente legislatura. No texto que está a ser debatido e vai ser votado pelos órgãos nacionais dos dois partidos, […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A proposta de acordo de Governo entre PSD e CDS-PP inclui um “compromisso de diálogo” para uma “posição comum” sobre as presidenciais de 2016 e a consulta mútua relativamente a outros atos eleitorais que ocorram na presente legislatura.

No texto que está a ser debatido e vai ser votado pelos órgãos nacionais dos dois partidos, PSD e CDS-PP incluem “o compromisso de diálogo no sentido de assumirem uma posição comum em relação à eleição presidencial de 2016”.

Na proposta de “Acordo de Governo e de colaboração mútua”, PSD e CDS-PP comprometem-se também com “a troca de informações e a consulta mútua no que respeita a atos eleitorais que venham a ocorrer no decurso da vigência” da atual legislatura.

O acordo de Governo e colaboração política entre PSD e CDS-PP estabelece que os grupos parlamentares autónomos dos partidos votarão solidariamente a eleição do presidente da Assembleia e eventuais projetos de revisão constitucional.

OJE

Recomendadas

Eutanásia: PSD com disciplina de voto a favor do referendo, mas serão admitidas exceções

“Temos no PSD uma posição que é uma tradição e que vamos manter viva, de relativamente à questão substantiva, haver liberdade total, e na questão política haver uma orientação que corresponde ao exercício da disciplina de voto”, afirmou o presidente do PSD, Luís Montenegro, em conferência de imprensa, depois de anunciar que a bancada irá propor um referendo sobre a despenalização da morte medicamente assistida.

Novo “braço direito” de Costa e turbilhão na Economia. Veja a análise à remodelação no Governo

Ao fim de oito meses, António Costa procedeu à maior remodelação governamental da maioria absoluta: chamou para junto de si um “velho conhecido” e afastou dois secretários de Estado desfasados do ministro da Economia. Veja a análise de Ricardo Santos Ferreira, diretor adjunto do semanário Novo.

Eutanásia: PSD vai propor referendo sobre despenalização

O anúncio foi feito por Luís Montenegro no final da reunião da Comissão permanente do partido.