PSD lamenta que executivo do Funchal não conceda estacionamento gratuito na época natalícia

Esta medida diz o PSD permitiria “revitalizar o comércio” e teria “um custo marginal” para a autarquia.

O vereador do PSD na Câmara Municipal do Funchal, Jorge Vale, lamentou que o executivo camarário não tenha concedido estacionamento gratuito na época natalícia aqueles que fizessem compras no comércio da baixa da cidade.

“Propusemos que nos meses de dezembro e janeiro a autarquia pudesse conceder uma isenção de duas horas no pagamento dos parquímetros, para as pessoas que façam compras na Cidade. A nossa proposta positiva foi recusada”, explicou Jorge Vale.

Para o social democrata esta seria uma “medida estruturante” para dinamizar o comércio o centro da cidade que teria “um custo marginal” para a autarquia, que permitiria trazer mais pessoas para o centro do Funchal.

Jorge Vale disse ainda que sobre o voto de protesto apresentado pela autarquia ao Governo Regional.

“O Estado vem de uma forma unilateral, de uma forma prepotente dizer como é que a Região deve gerir os dinheiros públicos. Nós não concordamos com esta ingerência de uma forma unilateral. É uma questão de justiça e de retidão”, afirmou o social democrata.

Recomendadas

Madeira: Movimento de passageiros nos aeroportos da Região cresceu cerca de 40% face a 2019

No aeroporto da Madeira, e no mês em análise, o tráfego de passageiros distribuiu-se equitativamente entre o tráfego doméstico (47,4% do total) e o tráfego internacional (52,6%).

Funchal: Aldeia de Natal abre a 9 de dezembro com regresso do comboio e prolongamento do horário de funcionamento

Outro aspeto destacado por Cristina Pedra foi a renovação do design e imagem da Aldeia de Natal e que inclui uma árvore de Natal de nove metros, bem como diversos pinheiros naturais, que  quando acabar o evento voltarão ao Parque Ecológico do Funchal.

Madeira: Aprovado relatório da Comissão de Inquérito à linha de crédito INVEST-RAM

O relatório mereceu os votos favoráveis PSD e do CDS-PP, os votos contra do PS, partido proponente do inquérito, e a abstenção do PCP.
Comentários