PSD Lisboa acusa Medina de gerir de forma pouco clara e irresponsável processo Carris

Para os sociais democratas, “a assunção da Carris pela Câmara permitindo a sua separação do Metropolitano é uma irresponsabilidade”.

Na sequência da promulgação por parte do Presidente da República do decreto-lei que transfere a gestão da Carris para a Câmara Municipal de Lisboa, o PSD Lisboa, através de um comunicado, acusa Fernando Medina de gerir de forma pouco clara e irresponsável o processo, sem medir as consequências que isso traz para os lisboetas.

O Vereador António Prôa exige a imediata apresentação aos órgãos do município do Plano Estratégico, do Plano de Gestão e respetivo documento de gestão financeira para uma discussão com tempo e com acesso a toda a informação para ser um processo transparente.

Segundo o Vereador António Prôa, «O Senhor presidente da Câmara tem-se precipitado com um conjunto de promessas relativamente à gestão da Carris sem divulgar as consequências financeiras de tais compromissos. Mais, as promessas não são calendarizadas, assumindo uma configuração de mera propaganda, atirando tudo apenas “para o futuro”. Este exercício tem o propósito de servir a sua campanha eleitoral, criando expectativas e atirando as consequências de tais promessas para “alguém que irá pagar”. O problema é que no caso, esse “alguém” são os lisboetas que terão de suportar estes custos!».

O Vereador António Prôa considera, lamentável que os órgãos do município não se tenham pronunciado sobre o plano de gestão, nem sobre o plano estratégico ou as condições financeiras da mesma.

Para António Prôa, «o Presidente da Câmara de Lisboa tem tratado o assunto com ligeireza, precipitação e usado para fazer propaganda, ao fazer promessas que depois não consegue cumprir como é o caso dos novos preços dos passes, que supostamente entrariam em vigor no dia 1 de janeiro, a promessa de novas carreiras, novos serviços, novos autocarros…».

O PSD Lisboa, considera também que “a assunção da Carris pela Câmara permitindo a sua separação do Metropolitano é uma irresponsabilidade, e significa um retrocesso num caminho de articulação fundamental que há tanto era desejado. O presidente da câmara não devia ter aceitado assumir os encargos da gestão da Carris sem garantir uma palavra determinante na definição do futuro do Metropolitano de Lisboa”.

Recomendadas

Remodelação no Governo. “É uma salada russa. É tapar buracos”, refere Marques Mendes

No seu habitual espaço de análise o comentador considera que o Executivo só pode queixar-se de si próprio sobre as demissões e polémicas que aconteceram nos oito meses de liderança com maioria absoluta. “Não pode culpar a oposição”, afirmou.

Iniciativa Liberal. Rui Rocha apresenta lista com “representação territorial alargada”

O candidato à liderança da Iniciativa Liberal Rui Rocha apresenta uma lista à comissão executiva com “representação territorial alargada” e novos pelouros, entre os quais os dedicados à política europeia e regional com vista à preparação das próximas eleições.

Integrar serviços na CCDR “é o primeiro passo para desarticulação total”

O secretário-geral do PCP considerou este domingo que a anunciada intenção do Governo de passar as competências dos serviços do Estado para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) “é o primeiro passo para a desarticulação total”.
Comentários