PSD-Madeira critica grupo de trabalho para subsídio social de mobilidade por parte do Governo da República

“O governo do PS tudo tem feito para não resolver esta questão, manda fazer estudos, passa as culpas de uma instituição para outra instituição, vota contra na Assembleia da República”, salientou Carlos Rodrigues.

O PSD-Madeira criticou esta quarta-feira durante o Plenário na Assembleia Legislativa da Madeira a constituição de um grupo de trabalho para o subsídio social de mobilidade por parte do Governo da República.

O deputado social-democrata Carlos Rodrigues afirmou mesmo que mais um grupo de trabalho significa mais um protelamento por parte do Governo central nesta matéria, vincando que esta é uma medida que mereceu unanimidade na Assembleia Regional.

“O governo do PS tudo tem feito para não resolver esta questão, manda fazer estudos, passa as culpas de uma instituição para outra instituição, vota contra na Assembleia da República”, salientou o deputado.

Bruno Melim, do PSD, também concordou que a constituição deste grupo de trabalho “é um logro, até porque essa regulamentação é apenas um mero ato formal que o Governo deve encetar junto das companhias aéreas”.

O deputado do Juntos pelo Povo Élvio Sousa referiu, em matéria de mobilidade, o facto de a extensão do subsídio social de mobilidade ao transporte marítimo ainda não estar regulamentada.

Recomendadas

O excesso de peso da mochila pode ser prejudicial à saúde do seu filho

É importante redobrar os cuidados e repensar nos materiais a levar para a escola, já que a mochila com peso tem um forte impacto na postura da criança.

Madeira: ACIF participa na quinta reunião transnacional do projeto BLUE-TEC

O projeto visa promover o crescimento inteligente do turismo náutico e costeiro da Macaronésia.

PSD/Açores disponível para novo modelo de financiamento dos bombeiros

O deputado regional social-democrata Luís Soares considerou necessário “saber como funcionam os mecanismos de acesso aos fundos comunitários, mantendo uma porta direta pelos bombeiros, em vez das candidaturas serem elegíveis somente através das câmaras municipais”.
Comentários