PSD no Parlamento: Privatização dos CTT foi um compromisso de um governo PS

O deputado do PSD foi peremptório a dizer que “estava escrito e foi assinado por um governo do PS”, pelo que “só a falta de vergonha é que pode fazer com que se venha acusar o PSD da privatização dos CTT”.

Miguel A. Lopes/Lusa

O vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD (GPPSD), Luís Leite Ramos, na sequência da apresentação de um projeto de resolução socialista a recomendar a avaliação das responsabilidades contratuais dos CTT, acusou os socialistas de “falta de memória”.

Luís Leite Ramos lembrou, em plenário, que o memorando de entendimento da Troika “que remonta a José Sócrates e a muitos dos ministros que estão no atual Governo” previa um programa de privatizações que abrangia transportes, energia e comunicações”. O deputado do PSD foi peremptório a dizer que “estava escrito e foi assinado por um governo do PS”, pelo que “só a falta de vergonha é que pode fazer com que se venha acusar o PSD da privatização dos CTT”. Acrescentou, ainda, que “o governo anterior concessionou os serviços postais até 2030”, sendo que a referida “concessão está enquadrada num conjunto de obrigações e objetivos que são definidos e acompanhados pelo regulador, Anacom e Governo”.

Os projetos de resolução de Bloco de Esquerda (BE), Partido Comunista (PC) e Verdes, que recomendam ao Governo a renacionalização dos CTT, foram chumbados esta manhã na Assembleia da República.

A recomendação do Partido Socialista (PS) foi desdobrada em dois pontos e isso permitiu que fosse aprovada a parte que diz respeito à criação de um grupo de trabalho para estudar o atual contrato de concessão.

O Jornal Económico sabe que o Governo já deu garantias que não haverá o regresso dos CTT à esfera do Estado.

À margem destas iniciativas parlamentares, o Governo anunciou que vai criar um grupo de trabalho que tem por objetivo analisar o serviço prestado pelos CTT no âmbito do contrato de concessão que termina em 2020.

O PSD foi o mais duro no debate. O deputado Luís Leite Ramos questionou “o que é que tinha feito o Governo nestes dois anos?”; Se “tem dados do incumprimento dos CTT, relativamente ao serviço universal postal e às obrigações no quadro do contrato de concessão?”; “Se sim porque é que não agiu?”, questionou o social-democrata.

“É esta falta de pudor que é marca deste Governo e do PS, porque não assumem as suas responsabilidades”, atirou o deputado.

Luís Leite Ramos criticou, o Governo e a bancada socialista por, “passarem o tempo a atirar a responsabilidade aos outros”.

Relacionadas

Parlamento rejeita regresso dos CTT a empresa do Estado

A votação aconteceu depois de um debate no Parlamento em que PSD e CDS-PP rejeitaram responsabilidades no serviços dos CTT e PCP, PEV e Bloco defenderam a reversão da privatização.
Recomendadas

JMJ. Rui Rocha contra “obras faraónicas de utilidade duvidosa”

O novo presidente da IL, Rui Rocha, pede “bom senso” na gestão da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) e lembra que está em causa o dinheiro dos contribuintes, defendendo que “obras faraónicas de utilidade duvidosa” não fazem sentido.

Rui Rocha: Voto na IL é o único garante que PS sai do poder e que Chega não entra

O novo presidente da IL defende que o voto nos liberais é “o único” que “garante que o PS sai do poder e que o Chega não entra” e desafia o PSD a abrir o jogo sobre entendimentos pós-eleitorais.

BE vai centrar “boa parte” da sua atividade no problema transversal da habitação

“Tenho ouvido alguns argumentos sobre a constitucionalidade desta medida que partem de um pressuposto errado que é de que o BE discrimina em função da nacionalidade. Não. O que o BE faz é garantir que quem trabalha em Portugal possa ter acesso à habitação”, explicou.
Comentários