PremiumPSD quer Moçambique na agenda da presidência portuguesa da União

Questão da insurgência jiadista em Cabo Delgado está longe de ser apenas moçambicana e resposta tem de ser enquadrada de forma global. Além dos contactos bilaterais, Portugal acompanha-a no âmbito da União Europeia.

O PSD quer que a questão da insurgência jiadista na província moçambicana de Cabo Delgado seja uma das prioridades da agenda do Governo de António Costa no primeiro semestre de 2021, altura em que terá em mãos a presidência do Conselho da União Europeia , depois de substituir o governo alemão, disse ao Jornal Económico (JE) o deputado Nuno Carvalho, coordenador do grupo parlamentar do PSD na Comissão de Negócios Estrangeiros e Comunidades Portuguesas. Os sociais-democratas têm sido muito críticos da posição do Governo sobre a questão moçambicana – ou mais propriamente da falta dela, pelo que pretende instigar o Governo a dar resposta mais eficaz ao problema. Para isso, levará a cabo várias iniciativas, desde logo de âmbito parlamentar.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Premium“O desenho pode ser um ponto de partida para começar uma coleção”

“Os portugueses conhecem os seus artistas, respeitam-nos e valorizam-nos”. Palavra de curadora, que é também diretora da única feira dedicada ao desenho em Portugal. Mónica Álvarez Careaga fala ao JE na identidade muito própria da Drawing Room Lisboa e da sua crescente “portugalidade”, que considera ser o reconhecimento de “várias gerações de excelentes artistas” portugueses.

PremiumSom harmonioso

Desenvolvido em segredo, o Co-Axial Master Chronometer Calibre 1932 é o primeiro movimento de relojoaria do mundo a fundir as funções de cronógrafo e de repetidor de minutos, necessitando do seu próprio “cérebro” mecânico para fazer soar o tempo decorrido.

PremiumSobre a necessidade de reinvenção de um continente no século XXI

Uma reportagem recente de um consórcio nacional de jornalistas trouxe para a luz do dia a existência de um número verdadeiramente assustador de elementos das forças de segurança portuguesas que não honram a farda, semeando o ódio, incentivando à violência e demonstrando um feroz racismo, quer contra cidadãos de etnia cigana, quer contra negros.
Comentários