PSD quer ouvir ministro do Ambiente com urgência devido à venda de seis centrais hídricas

O PSD refere-se à venda das barragens localizadas nos rios Douro, Sabor e Tua pela EDP-Energias de Portugal, S.A. a um consórcio empresarial francês, encabeçado pela Engie, incluindo os ativos e passivos, direitos e obrigações, relações jurídico-laborais, posições contratuais, protocolos e licenças associados.

Tiago Petinga/Lusa

O Grupo Parlamentar do PSD entregou hoje um requerimento para que o Ministro do Ambiente e Ação Climática seja ouvido no Parlamento, com sentido de urgência. Em causa está o que o PSD considera ser “falta de transparência do negócio anunciado, há cerca de um ano, e, entretanto, concluído no passado dia 17 de dezembro, da venda das seis centrais hídricas”.

O PSD refere-se à venda das barragens localizadas nos rios Douro, Sabor e Tua pela EDP-Energias de Portugal, S.A. a um consórcio empresarial francês, encabeçado pela Engie, incluindo os ativos e passivos, direitos e obrigações, relações jurídico-laborais, posições contratuais, protocolos e licenças associados.

No documento, o PSD refere que “a venda das barragens dependia da autorização prévia do Estado, até porque se trata de bens do domínio público” e que o “Ministério do Ambiente e da Ação Climática autorizou a venda. Tanto quanto se sabe, a venda foi autorizada sem que o Estado tivesse exigido qualquer contrapartida”.

“Acresce que o Ministério do Ambiente e da Ação Climática foi previamente alertado para o facto de a operação de venda poder ser feita com recursos a mecanismos de planeamento fiscal agressivo, a fim de evitar o pagamento de impostos, decorrentes daqueles”, lê-se no documento a que o Jornal Económico teve acesso.

Recomendadas

Marcelo avisa que “é preciso manter a democracia viva e repensá-la constantemente”

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, defendeu hoje que “é preciso manter a democracia viva e repensá-la constantemente” para evitar o aparecimento de respostas “fora do sistema e quase à margem”.

PR espera “evolução positiva” no sentido da paz e estabilização em São Tomé e Príncipe

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, manifestou hoje preocupação face à tentativa de golpe de Estado que aconteceu em São Tomé e Príncipe, mostrando-se esperançado numa “evolução positiva” no sentido da paz.

Chega recomenda ao Governo que reconheça a Rússia como Estado “patrocinador do terrorismo internacional”

O partido de Ventura defende que está na altura de Portugal tomar uma posição em relação a esta matéria.
Comentários