PSD questiona Governo sobre ausência de vacinação dos profissionais de saúde do Hospital das Forças Armadas

“Segundo informação que recebemos, o Hospital das Forças Armadas ainda não recebeu qualquer vacina, nem tem indicação do momento em que tal irá ocorrer, porque segundo indicação oficial “estes profissionais não integram o SNS”, apontou o grupo parlamentar do PSD.

Flickr/PSD

O Partido Social Democrata (PSD) questionou o Governo sobre a ausência de vacinação dos profissionais de saúde do Hospital das Forças Armadas (HFAR) esta quarta-feira, dia 30 de dezembro.

“Segundo informação que recebemos, o Hospital das Forças Armadas ainda não recebeu qualquer vacina, nem tem indicação do momento em que tal irá ocorrer, porque segundo indicação oficial “estes profissionais não integram o SNS”, apontou o grupo parlamentar do PSD.

Assim, o partido liderado por Rui Rio pergunta se o Governo “confirma esta informação” e “qual a data em que está prevista a vacinação dos profissionais de saúde do HFAR”.

Na pergunta dirigida ao Ministro da Defesa Nacional e à Ministra da Saúde, o PSD aponta ainda que “desde o início da pandemia COVID-19, as diversas unidades do Hospital das Forças Armadas têm prestado assistência a doentes do Serviço Nacional de Saúde, desde doentes com COVID-19 como também doentes com outras patologias. Os profissionais de saúde do Hospital das Forças Armadas integram o conjunto de estruturas que estão na linha da frente no combate à Covid-19”.

Recomendadas

Transição climática é prioridade para grandes empresas

Sonae, CTT, NOS e Altri têm estratégias consolidadas no combate às alterações climáticas e querem com as suas práticas influenciar toda a cadeia de valor. O JE foi conhecer as metas traçadas e as medidas para as atingir.

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.
Comentários