PSD: Santana quer debates já na próxima semana e nos três ‘generalistas’

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes propôs hoje a realização de três debates televisivos com o seu adversário, Rui Rio, o primeiro já na próxima semana, salientando que tal seguiria o mesmo modelo de anteriores diretas.

“A um mês da realização das eleições diretas, Pedro Santana Lopes propõe que se realizem três debates nos três canais, por forma a não excluir nenhuma das televisões generalistas. O primeiro poderia realizar-se já na próxima semana, o segundo na semana seguinte – entre o Natal e o Ano Novo – e o último na primeira semana de janeiro”, refere um comunicado da candidatura, que decidiu tornar pública a sua posição “face à dificuldade em chegar a um acordo entre as duas candidaturas quanto à realização de debates”.

De acordo com o comunicado, a realização de três debates televisivos seguiria “o mesmo modelo que já foi adotado em anteriores eleições diretas no PPD/PSD e eleições primárias no PS”.

“Sublinhamos que Pedro Santana Lopes sempre esteve disponível para realizar debates e aquando da apresentação da sua candidatura, no dia 22 de outubro, Pedro Santana Lopes defendeu que – além dos debates que se viessem a realizar nos órgãos de comunicação social – as distritais que assim o entendessem pudessem organizar debates entre os dois candidatos junto dos militantes do PPD/PSD”, afirmou.

Depois desta proposta inicial, que no limite geraria mais de 20 debates, e que foi recusada por Rui Rio, e na sequência de uma carta de Pedro Santana Lopes ao antigo autarca do Porto, as duas candidaturas têm estado nas últimas semanas em conversações sobre a realização de debates.

O PSD escolherá o seu próximo presidente em 13 de janeiro em eleições diretas, com Congresso em Lisboa entre 16 e 18 de fevereiro.

Até agora, anunciaram-se como candidatos à liderança do PSD o antigo presidente da Câmara do Porto Rui Rio e o antigo primeiro-ministro Pedro Santana Lopes.

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários