PSD sobre a inspeção à Raríssimas: “Porquê só agora?”

O PSD acusou hoje o Governo de ter falhado na função de fiscalização no caso da Raríssimas e exigiu conhecer os resultados de uma auditoria que o PS disse ter sido iniciada nesta instituição em 31 de julho.

Numa declaração política na Assembleia da República, a deputada do PSD Clara Marques Mendes acusou o Governo de ter falhado “na ação de fiscalização”, depois de ter recebido diversas denúncias de gestão danosa na associação Raríssimas.

“Porque é que só agora, depois de uma louvável reportagem televisiva, se mandou fazer inspeção à Raríssimas? Porque é que durante meses chegaram denúncias e ninguém agiu?”, questionou a deputada.

Na resposta, a deputada socialista Idália Serrão acusou o PSD de demagogia.

“É um bocadinho intelectualmente desonesto dizer que foram apresentadas queixas e nada foi feito: foram apresentadas queixas em março, junho julho e, em 31 de julho, foi iniciado um processo de auditoria”, afirmou, acrescentando que, depois da reportagem emitida no fim de semana pela TVI, “foi de imediato aberto um processo junto da Inspeção da Segurança Social”.

Para Idália Serrão, culpar o PS e o Governo por eventuais irregularidades na gestão da instituição, seria o mesmo que culpar o PSD depois de a presidente demissionária da Raríssimas, Paula Brito e Costa, ter sido vista “abraçada a deputados do PSD na sede do PSD em Odivelas”: “Seria um perfeito disparate”.

O líder parlamentar do PSD, Hugo Soares, pediu então à mesa da Assembleia para que solicite ao Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social os resultados de uma auditoria “que pelos vistos tem cinco meses”.

“Era importante que o parlamento, e não só apenas algumas bancadas, tivessem acesso a esse resultado”, afirmou.

Idália Serrão recordou que a bancada do PS já pediu a audição do ministro Vieira da Silva e sugeriu ao PSD que dirija essas perguntas ao governante quando este for ouvido na Assembleia da República.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários