Premium“PSD terá de negociar com o Chega e isso implica fazer uma rutura de regime”

Presidente do Chega admite que o chefe de Estado deverá ser reeleito a 24 de janeiro e diz que o mais importante é se a sua “direita antissistema” fica à frente da “esquerda revolucionária” de Ana Gomes.

Nuno Veiga / Lusa

Foi o primeiro a anunciar a candidatura ao Palácio de Belém, embora queira criar a “Quarta República”, e garantiu que se demitiria da liderança do Chega se ficasse atrás de Ana Gomes, como vão indicando as sondagens que também apontam para a reeleição de Marcelo Rebelo de Sousa à primeira volta. Ainda assim, André Ventura acredita que cumprirá nas eleições presidenciais objetivos que não se esgotam a 24 de janeiro.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

PremiumMemórias pessoais e transmissíveis

Mas os diários da minha tia Gália eram de um tipo muito específico: à medida que os lia, a sua textura peculiar — que se assemelhava sobretudo a uma rede de pesca de malha grande — tornava‑se cada vez mais enigmática e interessante.

PremiumGeorge Clooney e o Speedmaster ’57

Coincidindo com o 65º aniversário da linha Speedmaster, a coleção completa Omega Speedmaster ’57 inclui agora oito novos modelos.

PremiumBiografia de Lula Inácio da Silva

Para lá das emoções que provoca, positivas ou negativas, Lula da Silva está entre as maiores figuras políticas da história do Brasil. Oriundo da classe operária, opositor ativo e convicto de uma ditadura militar que sufocou a sociedade e a economia brasileiras entre 1964 e 1985, a sua história e as suas lutas confundem-se com as de um povo que, por duas vezes, o elegeu presidente da nação.
Comentários