PSI-20 acompanha Europa no ‘vermelho’ a meio da sessão

Entre as principais praças europeias, o alemão DAX recua 0,74%, o francês CAC 40 perde 0,80%, o espanhol IBEX 35 desvaloriza 0,55%. Já o britânico FTSE 100 contraria a tendência e sobe 0,29%.

A bolsa portuguesa segue a meio da sessão desta sexta-feira em terreno negativo, mantendo a tendência de abertura e em sintonia com as congéneres europeias. O principal índice bolsista português (PSI 20) cai 0,53%, para 5.418,59 pontos.

Na bolsa portuguesa, destaque para a EDP Renováveis, que lidera as perdas com as ações a desvalorizarem 1,59% para os 21,08 euros. Segue-se a EDP que recua 1,30% para 4,69 euros, o Banco Comercial Português (BCP) que desce 1,39% para os 0,1346 euros, a Greenvolt que perde 2,86 para 6,12 euros e a Galp que cai 1,37% para os 8,34 euros.

“Os principais índices de ações europeus negoceiam em baixa, no dia em que foi confirmado que a inflação na Zona Euro subiu para os 4,9% em novembro, tal como tinha sido apontado preliminarmente, e que os preços no produtor alemão dispararam 19,2% no mês nesse mês”, comenta o analista de mercados da Millennium investment banking, Ramiro Loureiro.

Entre as principais praças europeias, o alemão DAX recua 0,74%, o francês CAC 40 perde 0,80%, o espanhol IBEX 35 desvaloriza 0,55%. Já o britânico FTSE 100 contraria a tendência e sobe 0,29%.

O preço do petróleo está a cair nos dois lados do atlântico. Em Nova Iorque, o WTI diminui 1,75% para os 71,11 dólares por barril, enquanto o Brent desvaloriza 1,69% para os 73,75 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,10% face ao dólar norte-americano, para 1,1319 dólares.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa arranca no ‘vermelho’. Galp cai quase 2%

Em linha com as congéneres europeias, a praça lisboeta abre a sessão desta segunda-feira em terreno negativo, com as principais cotadas do PSI a desvalorizar. O índice recuou 0,68% na abertura.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

Uma semana rica em dados da inflação na Europa, que os mercados analisarão com atenção na busca de sinais sobre a política monetária de médio-prazo do BCE, que tem vários responsáveis a discursar. Também nos EUA e Inglaterra os responsáveis pelos bancos centrais discursam na antecâmara da última reunião do ano.

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Comentários