PSI-20 arranca no ‘verde’ impulsionado pelo BCP e Sonae SGPS

Praça lisboeta abriu a sessão a subir 0,46%, para 5.552,04 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

O principal índice bolsista português, PSI 20, iniciou a sessão desta terça-feira, 28 de dezembro a valorizar 0,46% para 5.552,04 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

A contribuir para este arranque positivo está o BCP que sobe 1,14% para 0,14 euros, a Sonae SGPS que cresce 2,51%, para 1,02 euros e a construtora Mota-Engil que valoriza 0,62% para 1,29 euros.

Em queda na abertura da sessão está a petrolífera Galp que cai 0,16%, para 8,59 euros, a Pharol que desce 0,13% para 0,07 euros e a Ibersol que desvaloriza 1,51%, para 5,22 euros.

As praças europeias abriram a negociar no ‘verde’. Na Alemanha, o DAX cresce 0,18%, o francês CAC 40 valoriza 0,22%, o holandês AEX sobe 0,08%. Em Espanha, o IBEX35 impulsiona 0,38% e o italiano FTSE MIB cresce 0,55%.

A cotação do barril de Brent desvaloriza 0,04%, com valor de 78,19 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 0,13%, para 75,67 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,04%, para 1,13 dólares.

Recomendadas

Comissão de trabalhadores acusa grupo Amorim de “incapacidade” para dirigir Galp por anúncio da saída do CEO sem substituto

A Comissão Central de Trabalhadores (CCT) da Petrogal acusou hoje o Grupo Amorim de incapacidade “para controlar e dirigir a Galp”, na sequência do anúncio da saída do presidente executivo, Andy Brown, no final do ano, sem anúncio de substituto.

Diretora do FMI avisa que situação económica “ainda vai piorar antes de melhorar”

“A incerteza é muito elevada”, referiu Kristalina Georgieva, destacando os efeitos da guerra, apontando que pandemia que “ainda não desapareceu” e acrescentando também que “os riscos em torno da estabilidade financeira estão a crescer”.

PSI fecha em queda em linha com Europa. EDPs lideram perdas

As bolsas europeias encerraram na sua globalidade em baixa. Já o petróleo está em rota ascendente depois de a OPEP+ ter anunciado um corte agressivo na produção. Por sua vez as ‘yields’ da dívida a 10 anos estão em alta.
Comentários