PSI 20 cai em linha com Europa. “Mercados não gostam de instabilidade e de indecisões”, diz analista

PSI 20 cai 1,17%, para 4.747,16 pontos.

O principal índice bolsista português, PSI 20, cai 1,17%, para 4.747,16 pontos, em linha com as principais praças europeias esta segunda-feira.

“As bolsas europeias seguem na sua maioria em leve baixa. Na entrada de mais uma quadra natalícia é natural que o flow noticioso e os volumes negociados sejam mais reduzidos”, explicou o Mtrader do Millennium BCP, Ramiro Loureiro.

A marcar a agenda está a expectativa dos investidores quanto ao futuro das taxas de juro para 2019. A Fed só se pronuncia na quarta-feira, 19 de dezembro, e “muito provavelmente vai aumentar pela última vez as taxas, este ano”, apontou Carla Maia Santos, a senior broker da XTB.

“A questão que se coloca é se Powell vai avançar com três aumentos para o ano ou se se vai conter”, acrescentou.

Na europa, os focos de instabilidade também contribuem para o sentimento pessimista do mercado. Em França, os coletes amarelos criam instabilidade política e social; em Itália, falta o sinal verde de Bruxelas para o orçamento; em Inglaterra, o Brexit continua a gerar receios nos investidores, com a possibilidade de um segundo referendo à saída do Reino Unido da União Europeia a ser cada vez mais solicitado.

Entre as principais praças europeias, o alemão DAX perde 0,74%, o britânico FTSE 100 quebra 0,59% o francês CAC 40 cai 0,82%, o holandês AEX tomba 1,11%, o espanhol IBEX 35 recua 0,09% e o italiano FTSE MIB desvaloriza 0,40%.

“Os mercados não gostam de instabilidade e de indecisões”, explicou Maia Santos. O mercado português não é excepção e segue, por isso, o sentimento económico global, “não tendo normalmente capacidade para contrariar o sentimento dominante do mercado”.

Em Lisboa, as empresas cotadas Pharol (3,03%) e Semapa (2,45) lideram as perdas mas é queda da EDP superior a 2% que trava o PSI 20.

No dia em que a empresa liderada por António Mexia anunciou ter assinado o maior contrato comercial de sempre em Portugal, com a indiana Sakthi, a energética cai 2,16%, para 3,03 euros.

Também a Renováveis, a filial da EDP, apresenta perdas. A empresa liderada por João Manso Neto cai 1,87%, para 7,60 euros, quando o mercado soube que a EDP Renováveis assegurou contrato de 20 anos para a venda de energia éolica na Grécia.

Em terreno positivo, negoceia os CTT, Galp e Sonae Capital.

No mercado petrolífero, o Brent avança 0,86%, para 60,80 dólares, e o WTI cresce 0,74%, para 51,85 dólares.

No mercado cambial, o euro aprecia 0,34%, para 1,13 dólares.

[Dados das 13h22]

Relacionadas

EDP celebra com a Sakthi o maior contrato comercial de sempre em Portugal

A energia a fornecer através deste contrato será garantida por energia renovável produzida na Península Ibérica.

EDP Renováveis assegurou contrato de 20 anos para a venda de energia éolica na Grécia

A EDP Renováveis assegurou um CfD de longo prazo para 15 MW eólicos no leilão Grego de energia, anunciou a empresa. O projecto deverá entrar em operação até 2021.

Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta semana

A semana ficará marcada pela publicação de diversos dados económicos, com destaque para o boletim económico do Banco de Portugal. Já no palco internacional, as atenções dos investidores recaem sobre a última reunião do ano da reserva federal norte-americana.

Enging reforça presença na Europa e estuda entrada na Índia

‘Startup’ de Oliveira do Hospital já está presente nos mercados de Espanha, Itália, Reino Unido e Brasil, mas vai reforçar processo de internacionalização com entrada na Alemanha, Áustria e Suíça em 2019.
Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários