PSI-20 negoceia em máximos de março. Europa acompanha em alta

O PSI-20 subiu encerrou a subir 0,05% para 4.931,62 pontos, tocando em máximos de março, altura em que cotou nos 4.967,93 pontos. Esta subida foi impulsionada pelos ganhos Sonae e do Grupo EDP.

Cristina Bernardo

O principal índice bolsista fechou a sessão desta terça-feira em alta ligeira pela quinta sessão consecutiva, acompanhando os ganhos assistidos entre as congéneres europeias.

O PSI-20 subiu encerrou a subir 0,05% para 4.931,62 pontos, tocando em máximos de março, dia em que cotou nos 4.967,93 pontos. Esta subida foi impulsionada pelos ganhos de 2,42% para 0,6760 da Sonae, resistindo assim à pressão das perdas de 0,89% para 0,1229 euros do BCP e 0,84% para 8,76 euros da Galp.

A sessão em Lisboa acompanhou as notícias das duas cotadas do Grupo EDP. A EDP, que subiu 0,27% para 5,26 euros, anunciou a venda de 15,5% do défice tarifário de 2021 por 271 milhões de euros e a EDP Renováveis, que encerrou a sessão flat nos 23 euros, concluiu a venda da ativos solares e eólicos nos Estados Unidos à Connor, Clark & Lunn Infrastructure por 684 milhões de dólares (561 milhões de euros).

Ainda no verde, a praça portuguesa registou as subidas de 1,10% para 11,04 euros da Corticeira Amorim e 1,26% para 3,210 euros da Altri. Em sentido inverso, a Ibersol e a Ramada lideram as perdas (-1,82% e -1,81%, respetivamente).

Lá fora, apenas o DAX, em Frankfurt, terminou a sessão de hoje no vermelho, desvalorizando 0,21% para 13.761,38 pontos. De resto, as praças europeias acompanharam a tendência assistida em Lisboa: Na vizinha Espanha, o IBEX 35 ganhou 0,24% para 8.174,80 pontos, seguindo-lhe o CAC 40 que subiu 0,42% para 5.611,79 pontos.

Já o Ftse 100, que continua a negociar entre as homólogas europeias até 31 de dezembro, avançou 1,55% para 6.602,65 ainda em reação ao acordo alcançado com a União Europeia por causa do Brexit. O Euro Stoxx 50 saltou 0,17% para 3.581,37 pontos

Recomendadas

Luta da Fed contra a inflação atinge Wall Street no fecho da sessão

De resto, o organismo liderado por Jerome Powell deu conta na semana passada da possibilidade de as taxas de juro continuarem em alta até 2023 fez com que os três principais índices tivessem caído na última semana entre 4% e 5%.

Banco de Inglaterra anuncia cenário para “testes de stress” com libra em queda

O Banco de Inglaterra divulgou hoje o cenário para testar a resistência dos grandes bancos do Reino Unido, quando o mercado obrigacionista britânico e a libra estão abalados pelas medidas orçamentais anunciadas pelo novo Governo.

Bolsa de Lisboa entre as que mais caíram. EDP Renováveis lidera perdas

O BCE e a OCDE penalizaram os mercados. “O italiano Footsie MIB foi a exceção após a vitória maioritária de Giorgia Meloni do partido de extrema-direita para o cargo de primeira-ministra, nas eleições realizadas ontem”, realçou o analista do BCP.
Comentários