PSI 20 em queda em linha com Europa

Bolsas europeias iniciam semana com perdas em dia de reunião da OPEP com outros países não membros, e com os investidores atentos ao discurso de Mario Draghi no parlamento europeu.

Bolsa de Lisboa abriu o dia a perder 0,55% para os 4.437,30 pontos, no arranque da sessão de segunda-feira, com praticamente todos os títulos negativos. A marcar a sessão está a demissão de António Domingues de CEO da Caixa Geral de Depósitos.

Nos ‘pesos pesados’, a EDP perde 0,33%, a Galp Energia recua 0,67% e a Jerónimo Martins cai 0,74%.

Destaque ainda para as desvalorizações da Altri (-1,20%), BCP (-0,59%), EDP renováveis (-0,63%), Mota-Engil (-2,03%) e NOS (-0,90%).

Na Europa, a negociação será marcada pela reunião preliminar entre a OPEP e alguns países produtores de petróleo que não pertencem ao cartel. Às 14h00, Mario Draghi irá ao Parlamento Europeu responder às questões dos deputados relativamente às perspectivas económicas da Zona Euro e sobre as potenciais consequências do Brexit. Para já, os índices negoceiam com perdas.

O Dax cai 0,85%, o índice francês CAC recua 0,94%, a praça holandesa AEX desvaloriza 1,11%, e o Footsie de Londres perde 0,94%.

O petróleo Brent 1,22% para os 47,65 dólares, em dia de reunião preliminar entre a OPEP e outros países produtores de petróleo. O objectivo da OPEP é integrar o maior número de países na sua intenção de reduzir a produção.

No mercado forex o euro ganha 0,72% para 1,0663 dólares. A Libra avança 0,25% para 1,2506 dólares.

A ‘yield’ da dívida portuguesa a dez anos, negoceia a subir o,4 pontos base para 3,604%.

Recomendadas

Juros da dívida de Portugal sobem a dois, cinco e dez anos

Às 08:30 em Lisboa, os juros a 10 anos avançavam para 3,203%, contra 3,166% na quinta-feira.

PSI no ‘vermelho’ em manhã mista nos mercados europeus

No mercado petrolífero, o brent ganha 0,04% para 94,46 pontos e o crude avança 0,08% para 88,52 pontos.

Extrema direita na Europa em ascensão

Na Europa começa-se a assistir a uma mudança na preferência dos eleitores que, aparentemente, mostram que estão cansados dos mesmos partidos políticos que têm governado as principais potências europeias nestes últimos anos.
Comentários