PSI 20 recua em linha com Europa

Em Lisboa,  doze empresas cotadas desvalorizam e sei valorizam.

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,09%, para 5.216,42 pontos, em linha com as principais congéneres europeias esta terça-feira, 17 de dezembro. Em Lisboa,  doze empresas cotadas desvalorizam e sei valorizam.

As quedas dos títulos do BCP (-0,84%), da EDP (-0,11%) e da EDP Renováveis (-0,59%) e das retalhistas Jerónimo Martins (-0,44%) e Sonae (-0,21%) penalizam a bolsa portuguesa.

Destaque para a EDP, que anunciou em comunicado oficial à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) que a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) publicou na segunda-feira relativo a “tarifas e preços para a energia elétrica em 2020”. O documento não apresenta alterações materiais para a EDP ou para a evolução dos ativos regulatórios em Portugal, de acordo com os analistas do BPI.

Os CTT também se destacam ao cair 0,30%, para 3,27 euros, depois de a Blackrock ter reforçado a sua aposta na queda das ações dos CTT.

O PSI 20 acompanha a tendência europeia, com os investidores expectantes quanto ao Brexit. O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já deixou claro que não quer que o período de transição do Brexit se prolongue mais do que os 11 meses já definidos.

 

Recomendadas

Bolsa de Lisboa abre em terreno negativo em linha com a Europa

As principais bolsas europeias negoceiam em terreno negativo. O francês  CAC desvaloriza 0,37%, o alemão DAX deprecia 0,33%, o espanhol IBEX recua 0,09%, e o britânico FTSE perde 0,05%.

Barril de petróleo russo limitado a 60 dólares após acordo entre G7 e Austrália

Após acordo alcançado pela União Europeia, os países do G7, juntamente com Austrália, concordam com um limite de preço de 60 dólares por barril para o petróleo russo. Moscovo repete que não aceita.

Redução da produção de petróleo? “Necessária e correta”, diz OPEP+

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu este domingo continuar a aplicar um corte na produção de petróleo em 2023, uma medida que defendeu ser “necessária e correta”.
Comentários