PSI em terreno negativo no início da sessão em dia misto na Europa

A Greenvolt lidera nas perdas, estando a cair 0,86% para 8,08 euros, seguida da Galp, que recua 0,54% para 11,61 euros.

O PSI está a perder 0,20% para 5.734,30 pontos no início da sessão desta sexta-feira, num dia misto para os mercados europeus.

A Greenvolt lidera nas perdas, estando a cair 0,86% para 8,08 euros, seguida da Galp, que recua 0,54% para 11,61 euros.

Também em terreno negativo negoceiam o BCP e a Mota-Engil, que perdem, respetivamente, 0,41% para 0,1448 euros e 0,17% para 1,210 euros.

Por outro lado, ainda no sector energético, a EDP Renováveis avança 0,23% para 21,44 euros e a EDP ganha 0,29% para 4,57 euros.

Nas praças europeias, o alemão DAX ganha 0,20% para 14.292,85 pontos e o espanhol IBEX sobe 0,23% para 8.244,26 pontos.

“O otimismo no mercado asiático está a contagiar as bolsas europeias, que vêm de cinco sessões em terreno negativo. Wall Street já tinham ontem quebrado esta série negativa, com os investidores a reagirem aos novos pedidos de subsídio de desemprego no país, que em termos acumulados atingiram um máximo desde fevereiro. Continua assim a funcionar a lógica de “más notícias na economia são boas notícias para os mercados”, pois uma degradação no mercado de trabalho nos Estados Unidos dará maior margem de manobra para a Fed abrandar o ritmo de subida de juros”, é destacado na nota diária da BA&N Research Unit.

No mercado petrolífero, o brent ganha 0,21% para 76,31 dólares e o crude avança 0,34% para 76,31 dólares.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa fecha sessão no ‘verde’ com BCP a liderar ganhos

As principais bolsas europeias terminaram divididas, com o DAX (Alemanha) e o CAC 40 (França) a registarem valorizações de 0,01%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perdeu 0,16% e o IBEX 35 (Espanha) depreciou 0,15%.

Wall Street arranca sessão com todos os índices no ‘verde’

A bolsa de Nova Iorque iniciou a sessão com sinais positivos nos três principais índices, apesar da queda das ações da McDonald’s.

Gestora de fundos dos EUA alerta para iminência de uma catástrofe nos mercados

A crescente dívida mundial, que não para de crescer, pode acabar num desastre financeiro de proporções mais devastadoras que o crash de 1929. A dívida “é a maior bomba-relógio de sempre da história financeira”.
Comentários