PSI encerra em terreno positivo em linha com a Europa. BCP valoriza mais de 2%

Lá fora, as principais praças europeias negociaram no ‘verde’, O IBEX avançou 1,28%, o DAX apreciou 1,34%, o FTSE 100 valorizou 1,00%, e o CAC 40 ganhou 0,98%.

A bolsa de Lisboa encerrou esta segunda-feira no ‘verde’ ao valorizar 0,82% para 6.273,37 pontos, impulsionada pelo avanço de 2,57% do BCP para 0,1953 euros. Contudo, foi a Greenvolt que liderou os ganhos, ao subir 3,88% para 7,50 euros. Destaque ainda para a Mota-Engil, que apreciou 2,30% para 1,336 euros.

Com avanços superiores a 1% esteve ainda a EDP Renováveis, que cresceu 1,36% para 23,11 euros, a Semapa (+1,27% para 15,90 euros), e a EDP (+1,09% para 4,72 euros).

Em sentido contrário, quatro cotadas encerraram em terreno negativo. A Sonae foi quem mais perdeu ao recuar 0,63% para 1,1050 euros, seguida da The Navigator (-0,35% para 4,03 euros).

A Corticeira Amorim manteve-se inalterada nos 10,42 euros.

Lá fora, as principais praças europeias negociaram no ‘verde’, O IBEX avançou 1,28%, o DAX apreciou 1,34%, o FTSE 100 valorizou 1,00%, e o CAC 40 ganhou 0,98%.

Nos outros mercados, o preço do barril de petróleo está a cair dos dois lados do Atlântico: em Nova Iorque, o WTI recua -0,34% para os 118,44 dólares, enquanto o Brent deprecia 0,07% para os 119,65 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,27% face ao dólar norte-americano para os 1,0691 dólares.

Recomendadas

Wall Street fecha misto depois de um dia pouco definido

A maioria das ações dos principais índices dos Estados Unidos mantiveram-se indefinidos entre o verde e o vermelho. O histórico do primeiro semestre, que fecha esta quinta-feira, será dos piores em décadas.

EDP, NOS, Galp, CTT e BCP arrastam Lisboa para perdas. Europa em queda

“O corte das estimativas de crescimento económico para 2022 de 4% para 2,5%, por parte do governo francês e a revelação de que a inflação em Espanha, a quarta maior economia da zona euro, terá atingido um novo recorde em junho foram fatores adicionais de pressão para o mercado europeu”, refere o analista do BCP.

BlackRock defende que transição da economia para “zero emissões” implicará uma redistribuição massiva de ativos nas carteiras

A BlackRock considera que os preços de mercado ainda não refletem plenamente os riscos e as oportunidades da transição, acreditando que as empresas que estão mais preparadas para a transição e mais capazes de aproveitar as suas oportunidades devem continuar a beneficiar em relação às outras ao longo do tempo.
Comentários