PSI encerra no ‘vermelho’ em contra ciclo com a Europa

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.

A bolsa de Lisboa encerrou esta sexta-feira no ‘vermelho’ ao cair 0,04% para os 5.877,95 pontos. Na Europa, os ganhos foram mínimos.

A NOS foi quem mais perdeu ao desvalorizar 1,58% para os 3,86 euros, seguida da EPD renováveis, que recuou 1,44% para os 22,59 euros. A EDP depreciou 0,75% para os 4,48 euros, e a Galp caiu 0,35% para os 11,52 euros.

OS CTT e a Jerónimo Martins permaneceram nos 3,19 e 21,24 euros, respetivamente.

No ‘verde’, destaque para a Corticeira Amorim (+2,15% para os 9,04 euros), para o BCP (+1,70% para os 0,1554 euros) e para a Navigator, que avançou 1,53% para os 3,85 euros.

Lá fora, as principais praças europeias negociaram maioritariamente em terreno positivo. O FTSE 100 valorizou 0,32%, o CAC 40 ganhou 0,08%, e o DAX apreciou 0,01%. O espanhol IBEX 35 manteve-se estável.

“O volume transacionado em euros em índices como o Stoxx 600 foi cerca de 40% inferior à média registada nas últimas 20 sessões, à semelhança do que sucede em Wall Street, que vai encerrar mais cedo hoje, pelas 18h de Lisboa, como é habitual na Black Friday. Nos pontos positivos do dia há a revelação de que a economia alemã terá crescido acima do esperado no terceiro trimestre, puxada pela Balança Comercial, bem como a indicação de que a confiança dos consumidores germânicos melhorou. Em Espanha, o índice de preços no produtor mostrou descida sequencial em outubro, fazendo acreditar num alívio das pressões inflacionistas”, destaca a research do Millenium Investiment Banking

Nos outros mercados, o preço do barril de petróleo está a cair dos dois lados do Atlântico: em Nova Iorque, o WTI deprecia 0,28% para 77,72 dólares, e em Londres o Brent recua 0,54% para 84,93 dólares.

No mercado cambial, o euro desvaloriza 0,04% face ao dólar norte-americano para os 1,0404 dólares.

Recomendadas

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.
Comentários