PSI fecha no ‘verde’ apoiado pela Galp e CTT

Praça lisboeta terminou a sessão a crescer 0,78%, para 5.932,30 pontos, indo ao encontro da tendência das suas congéneres europeias.

O principal índice bolsista português, PSI, fechou a sessão desta quinta-feira, a valorizar 0,78%, para 5.932,30 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

A fazer subir o PSI estiveram entre as principais cotadas portuguesas a petrolífera Galp que cresceu 1,69%, para 11,15 euros, os CTT que subiram 1,67%, para 4,27 euros e o BCP que valorizou 0,82%, para 0,14 euros.

Com sinal ‘verde’ ficaram também no fim da sessão a Corticeira Amorim que ganhou 1,97%, para 9,82 euros, a EDP que subiu 0,70%, para 4,48 euros, a EDP Renováveis que aumentou 0,35%, para 22,87 euros e a Sonae que impulsionou 2,20%, para 1,02 euros.

A negociar com sinal ‘vermelho’ no fecho da sessão ficaram a Altri que caiu 0,24%, para 6,25 euros, a Navigator que desceu 0,10%, para 3,86 euros e a construtora Mota-Engil que desvalorizou 0,16%, para 1,27 euros.

“O mercado europeu encerrou em alta, impulsionado pelas reações positivas às contas empresariais de algumas cotadas europeias e norte-americanas. A travar os ganhos no mercado acionista esteve a divulgação de contração económica inesperada nos EUA durante primeiro trimestre, surpreendendo os analistas que estimavam um crescimento anualizado de 1%”, refere o analista de mercados do Millenium investment banking, Ramiro Loureiro.

Nas principais bolsas europeias, na Alemanha, o DAX cresceu 1,35%, no Reino Unido, o FTSE 100 subiu 1,15%, o francês CAC 40 valorizou 0,98%, nos Países Baixos, o AEX ganhou 1,38%, em Espanha, o IBEX35 aumentou 0,37% e em Itália o FTSE MIB impulsionou 0,94%.

A cotação do barril de Brent valoriza 1,30%, com valor de 106,31 dólares, enquanto a cotação do crude WTI cresce 1,77%, para 103,77 dólares por barril.

No mercado cambial o euro desvaloriza 0,39%, para 1,05 dólares.

Recomendadas

BCP e REN lideram ganhos na bolsa de Lisboa

Em contraste ao PSI, nas bolsas europeias a tendência nas principais praças é de desvalorização das bolsas.

IGCP colocou 1.500 milhões a seis e 12 meses, com juros positivos no prazo mais longo

“Portugal veio ao mercado com duas emissões de dívida de curto prazo, colocou em bilhetes do tesouro a 6 meses 625 milhões de euros e a 12 meses 875 milhões de euros. Face ao último leilão comparável assistimos a uma subida nas taxas”, segundo o Banco Carregosa.

IGCP vai ao mercado levantar até 1.750 milhões em dívida a seis e a 12 meses

O IGCP precisou que as maturidades dos BT hoje leiloados são em 18 de novembro de 2022 (seis meses) e em 19 de maio de 2023 (12 meses).
Comentários