PSI inicia última sessão da semana em terreno negativo

O sentimento negativo é transversal às praças europeias, estando o alemão DAX a perder 0,25% para 12.500,24 pontos, o francês CAC a recuar 0,24% para 5.904,29 pontos e o espanhol IBEX a desvalorizar 0,32% para 7.750,50 pontos.

A bolsa de Lisboa iniciou a última sessão desta semana em terreno negativo, com o PSI a perder 0,69% para 5.639,30 pontos, pressionado sobretudo pelo BCP e pelas energéticas.

O banco liderado por Miguel Maya perde 1,43% para 0,1376 euros, a EDP Renováveis recua 1,56% para 22,65 euros e a EDP cai 0,62% para 4,79 euros.

A Greenvolt e a Galp caem, respetivamente, 0,91% para 8,69 euros e 0,20% para 10,08 euros.

O CTT sofrem a maior penalização da sessão, com uma quebra de 1,96% para 2,75 euros.

O sentimento negativo é transversal às praças europeias, estando o alemão DAX a perder 0,25% para 12.500,24 pontos, o francês CAC a recuar 0,24% para 5.904,29 pontos e o espanhol IBEX a desvalorizar 0,32% para 7.750,50 pontos.

No mercado petrolífero, o brent perde 0,75% para 89,78 dólares e o crude recua 0,79% para 82,83 dólares.

Recomendadas

Wall Street fecha a perder, com Nasdaq e S&P 500 a tombar mais de 2%

A nível empresarial, destaque para a queda da Apple de quase 5% depois do Bank of America baixar a empresa de Neutral para Buy, citando preocupações com uma desaceleração nos gastos do consumidor.

PSI fecha no ‘vermelho’. Jerónimo Martins perde mais de 6%

Houve apenas duas cotadas a terminarem a sessão em terreno positivo. Os CTT fecharam a valorizar 3,82% para os 2,72 euros e a Galp cresceu 0,44%, com as suas ações nos 9,63 euros. No mercado cambial, o euro está a ter uma valorização de 0,46% face ao dólar, para os 0,9779 euros.

Wall Street arranca ‘mista’ numa Europa mergulhada no ‘vermelho’

A a Amazon está em destaque, após anunciar um aumento do salário médio dos trabalhadores de armazém, bem como os trabalhadores de entregas. O anúncio antecede em duas semanas o segundo evento de ofertas Prime Day da Amazon, marcado para 11 e 12 de outubro, evento que provocou uma crescente pressão sindical sobre a empresa.
Comentários