PSI no ‘vermelho’ acompanha congéneres europeias. Principais cotadas pressionam bolsa portuguesa

Entre as principais praças europeias, o francês CAC 40 desce 1,36%, o espanhol IBEX 35 desvaloriza 0,58%, o alemão DAX cai 0,65%. Já o britânico FTSE 100 contraria a tendência europeia e segue no ‘verde’ a valorizar 0,47%.

A bolsa de Lisboa segue a meio da sessão desta segunda-feira em terreno negativo, penalizada pelas perdas das principais cotadas, mantendo a tendência de abertura e em sintonia com as suas congéneres europeias. O principal índice bolsista português (PSI 20) cai 0,55%, para 5.897,53 pontos.

Na praça portuguesa, destaque para o Banco Comercial Português (BCP) que lidera as perdas com as ações a desvalorizarem 1,82% para os 0,1453 euros, seguido da Galp que cai 1,72% para os 11,43 euros, a EDP Renováveis que perde 1,33% para os 22,34 euros, a EDP que recua 1,26%% para os 4,386 euros e a Greenvolt a descer 2,26% para os 6,91 euros.

“A volatilidade volta a aumentar e acaba por condicionar. O sector Automóvel é o que mais recua, o que em parte se deve ao destacamento de dividendo da Mercedes-Benz e da Continental, ainda que tal não se reflita na cotação do DAX, uma vez que o índice alemão é total return, ou seja, incorpora os dividendos, ao contrário de outros, como o nacional PSI. A revelação de que a atividade na China registou uma contração superior ao esperado em abril é fator de pressão, o que pode estar a afetar o sentimento no sector tecnológico”, comenta o analista de mercados da Millennium investment banking, Ramiro Loureiro.

Entre as principais praças europeias, o francês CAC 40 desce 1,36%, o espanhol IBEX 35 desvaloriza 0,58%, o alemão DAX cai 0,65%. O britânico FTSE encontra-se encerrado devido a feriado no Reino Unido.

O preço do petróleo está a cair nos dois lados do atlântico. Em Nova Iorque, o WTI diminui 2,73% para os 101,83 dólares por barril, enquanto o Brent desvaloriza 2,32% para os 104,65 dólares em Londres.

No mercado cambial, o euro deprecia 0,18% face ao dólar norte-americano nos 1,0522 dólares.

Recomendadas

BCP e REN lideram ganhos na bolsa de Lisboa

Em contraste ao PSI, nas bolsas europeias a tendência nas principais praças é de desvalorização das bolsas.

IGCP colocou 1.500 milhões a seis e 12 meses, com juros positivos no prazo mais longo

“Portugal veio ao mercado com duas emissões de dívida de curto prazo, colocou em bilhetes do tesouro a 6 meses 625 milhões de euros e a 12 meses 875 milhões de euros. Face ao último leilão comparável assistimos a uma subida nas taxas”, segundo o Banco Carregosa.

IGCP vai ao mercado levantar até 1.750 milhões em dívida a seis e a 12 meses

O IGCP precisou que as maturidades dos BT hoje leiloados são em 18 de novembro de 2022 (seis meses) e em 19 de maio de 2023 (12 meses).
Comentários