PSI segue no ‘vermelho’ com quebras do BCP e Galp

Praça lisboeta está agora a cair 0,35%, para 5.832,03 pontos nesta quarta-feira, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

O principal índice bolsista português, PSI, encontra-se a meio da sessão desta quarta-feira a desvalorizar 0,35%, para 5.832,03 pontos, seguindo a tendência das suas congéneres europeias.

A fazer descer o PSI está o BCP, que cai 1,42%, para 0,14 euros, a construtora Mota-Engil, que deprecia 1,13%, para 1,22 euros, e a petrolífera Galp, que desvaloriza 2,28%, para 11,81 euros.

Com sinal ‘vermelho’ estão também os CTT que descem 0,92%, para 3,23 euros, a Altri que desvaloriza 0,09%, para 5,36 euros, a Sonae que cai 0,31%, para 0,95 euros e a Navigator que recua 0,88%, para 3,85 euros.

A negociar com sinal ‘verde’ estão a Jerónimos Martins que cresce 1,17%, para 20,84 euros, a Greenvolt que sobe 1,38%, para 8,11 euros e a EDP Renováveis que valoriza 0,32%, para 22,84 euros.

Na Europa, todo os principais mercados de ações negoceiam no ‘vermelho’. Na Alemanha, o DAX desce 0,36%, no Reino Unido, o FTSE 100 cai 0,04%, o francês CAC 40 desvaloriza 0,41%, o neerlandês AEX perde 0,79%. Em Espanha, o IBEX35 recua 0,57% e o italiano FTSE MIB deprecia 0,03%.

A cotação do barril de Brent desvaloriza 0,05%, com valor de 79,28 dólares, enquanto a cotação do crude WTI desce 0,04%, para 74,22 dólares por barril.

No mercado cambial o euro valoriza 0,23%, para 1,04 dólares.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dow recua num dos melhores dias para o S&P e Nasdaq

Em dia de prestarem contas, algumas das maiores tecnológicas animaram o Nasdaq, que fechou a sessão a escalar 3,25%. Também o S&P 500 trepou para o nível mais alto dos últimos cinco meses. Já o índice industrial deixou a desejar aos investidores.

BCE alerta para risco de aumento do desemprego. Invasão da Ucrânia é ameaça para a zona euro

A invasão russa da Ucrânia a par da inflação e o apertar do cinto financeiro são três grandes riscos para a economia da zona euro. Acresce a isto a dinâmica de subida salarial, que pode gerar efeitos de segunda ordem e agravar o problema dos preços do lado da procura, alerta presidente do BCE.
Comentários