PSI sobe 1,08% com valorização do BCP. Europa fecha no verde

Em território nacional o BCP liderou os ganhos entre as cotadas do PSI, com EDPR e Galp Energia igualmente em bom plano”, refere o analista dos mercados do BCP. Europa fecha no verde depois do sell-off de ontem. Juros soberanos estão em forte correção.

O PSI subiu 1,08% para 5.718,83 pontos ajudado pela subida do BCP de 3,13% para 0,1449 euros e pela valorização da EDP Renováveis de 2,44% para 20,56 euros. A Galp avançou 2,00% para 10,46 euros e a EDP fechou a ganhar 1,54% para 4,41 euros. Também a Altri sobressai ao subir 1,71% para 6,84 euros.

“Em território nacional o BCP liderou os ganhos entre as cotadas do PSI, com EDPR e Galp Energia igualmente em bom plano”, refere o analista dos mercados do BCP, Ramiro Loureiro.

Na Europa o EuroStoxx 50 avançou 0,79% para 3.554,8 pontos e o Stoxx 600 subiu 0,80%. O verde foi generalizado na Europa (excepto para Rússia e Polónia).

O FTSE 100 subiu 0,37% para 7.243,2 pontos; o CAC 40 valorizou 0,51% para 6.116,9 pontos; o DAX liderou os ganhos ao subir 1,15% para 13.534,74 pontos; o FTSE MIB avançou 1,04% para 23.069,78 pontos e o IBEX foi a exceção ao manter-se inalterado face ao valor do fecho de ontem nos 8.139,2 pontos.

“As bolsas europeias viveram uma sessão de recuperação, ainda que tenham perdido algum entusiasmo na última hora de negociação, perante a inversão de sentimento em alguns índices de ações norte-americanos. Os setores de media e de recursos Naturais não conseguiram acompanhar a onda positiva”, refere o analista da MTrader.

O mesmo analista tinha introduzido numa análise aos mercados de hoje que o “sell-off de ontem trouxe um indicador técnico, o RSI, para níveis próximos da indicação de sobre-venda, que na prática representa uma pressão vendedora em demasia num determinado período de tempo. Por isso a valorização de hoje pode, pelo menos para já, ser considerada como uma reação técnica, até porque não anula sequer a queda da sessão anterior e os indicadores macroeconómicos mostram fraquezas”, refere a análise.

O Zew Institute na Alemanha mostrou que a confiança do investidor alemão estabiliza mas o nível ainda é baixo e nos EUA os dados do NFIB (National Federation of Independent Business) denotaram que a confiança nas PMEs dos EUA está no nível mais baixo desde 2020. Apenas o setor energético fica para trás nesta recuperação, arrastado pela queda dos preços do petróleo.

Hoje a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) antecipou, como em abril, um abrandamento da atividade na Europa devido à subida da inflação e às perspetivas pessimistas para o setor transformador.

O abrandamento afecta a zona euro como um todo e as grandes economias que integra, nomeadamente Alemanha, França, Itália e Espanha, bem como o Reino Unido. Ao mesmo tempo, nos Estados Unidos, Japão e Canadá, a tendência de crescimento permanece estável.

Em abril de 2022, o Indicador Compósito Avançado da OCDE (CLI ratio to trend, amplitude adjusted) para Portugal apresentou uma variação de 0,01% em termos mensais. Em termos homólogos apresentou uma variação de 2,37%. Este indicador registou, em abril de 2022, um valor de 100,81 pontos. Estes valores indicam uma fase de estabilização do crescimento da actividade económica.

O indicador foi concebido para detectar sinais iniciais de pontos de viragem nos ciclos económicos, dando os seus valores informação apenas qualitativa.

O euro cai 0,22% para 1,0538 dólares.

Hoje há ainda a salientar o impacto económico das medidas para conter os atuais surtos de Covid-19 na China é dez vezes superior ao prejuízo causado pela vaga inicial em Wuhan, no início de 2020, alertou hoje um influente economista chinês.

O arrefecimento da economia chinesa contrai cotação do Brent para julho. A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em julho terminou hoje no mercado de futuros de Londres em baixa de 5,81%, para os 105,94 dólares. Nesta altura está a cair 3,01% para 102,75 dóares. O crude West Texas recua 2,77% para 100,23 dólares.

O mercado de dívida pública está a corrigir. A dívida alemã a 10 anos cai 9,51 pontos base para 1%. Já a dívida portuguesa recua 10,16 pontos base para 2,14% e a dívida espanhola está a cair 9,02 pontos base para 1,94%. Por fim Itália tem os juros soberanos em queda de 14,96 pontos base para 3%.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa contraria Europa e encerra em terreno positivo com a EDP a liderar ganhos

Contrariamente, as congéneres europeias encerram a sessão no ‘vermelho’, excetuando o espanhol Ibex 35, que valoriza 0,05%.

Wall Street abre no ‘vermelho’. Snapchat arrasta sector tecnológico com perdas superiores a 38%

As ações da Snapchat (Snap) caem 38,05% para 13,96 dólares e arrastam o sector tecnológico depois de a empresa ter emitiu uma declaração em que fazia uma revisão em baixa das suas previsões sobre o crescimento trimestral e apontou para a deterioração do ambiente macroeconómico.

Greenvolt e Energias de Portugal lideram perdas na Bolsa de Lisboa

A Bolsa de Lisboa está a meio da sessão no ‘vermelho’. A Greenvolt desce 6,78%, para os 6,74 euros e a EDP desvaloriza 1,09%.
Comentários