PSI valoriza em dia verde na Europa. REN, BCP, Galp, CTT e Navigator lideram

O BCP foi alvo de uma revisão em alta por parte do Caixabank/BPI: o preço-alvo subiu de 0,20 euros para 0,25 euros por ação, com a recomendação de compra a ser mantida.

O PSI fechou a subir 0,99% para 5.972,56 pontos. A liderar as subidas estiveram as ações da REN (+1,97% para 2,590 euros); do BCP (+1,94% para 0,1890 euros); dos CTT (+1,91% para 3,48 euros); da Navigator (+1,93% para 3,16 euros); da Galp (+1,32% para 13,01 euros); e da Jerónimo Martins (+1,25% para 20,24 euros).

O BCP foi alvo de uma revisão em alta por parte do Caixabank/BPI: o preço-alvo subiu de 0,20 euros para 0,25 euros por ação, com a recomendação de compra a ser mantida.

Dois títulos fecharam em queda: a Greenvolt que recuou -0,86% para 8,04 euros e a EDP Renováveis que perdeu -0,10% para 20,53 euros. Curiosamente, a EDP subiu +0,46% para 4,77 euros.

Há dois títulos inalterados face a sexta-feira, a NOS e a Altri.

A Sonae que sofreu um downgrade do BPI passando a recomendação de “compra” para “neutral” e baixando o price-target de 1,6 euros para 1,2 euros por ação.

Também o CaixaBank/BPI emitiu uma nota em que sobe o range do price-target da Mota-Engil de 1,65 euros-4,95 euros para 2,53 euros-5,26 euros por ação. As ações da empresa de construção subiram +0,44% para 1,364 euros.

“Otimismo em Wall Street reforça ganhos europeus”, refere a análise do analista de mercados do BCP, Ramiro Loureiro.

O EuroStoxx 50 subiu 0,75% para 4.150,8 pontos e o Stoxx 600 valorizou 0,56%. O FTSE 100 subiu 0,18% para 7.784,7 pontos; o CAC avançou 0,51% para 7.032 pontos; o DAX valorizou 0,46% para 5.102,9 pontos; o FTSE MIB subiu 0,18% para 5.8221,4 pontos e o IBEX fechou com ganhos de 0,29% para 8.944,1 pontos.

“As bolsas europeias encerraram em alta, com o PSI na liderança, ao avançar 1%”, realça o analista da MTrader.

“O ambiente de otimismo que se sente em Wall Street acabou por reforçar os ganhos no velho continente, em especial no setor Tecnológico, numa altura em que o Nasdaq 100 valoriza mais de 2% na bolsa de Nova Iorque”, refere a análise do Milllennium BCP.

“Os investidores estão muito focados na da earnings season relativa às contas do 4.ºtrimestre de 2022 e acabaram por assimilar bem as declarações mais agressivas de um governador do BCE, de que o Banco deve continuar a subir a taxa de juro em 50 pontos base nas próximas duas reuniões e que o momento de desacelerar o ritmo ainda está longe”, conclui a mesma análise.

Na macroeconomia destaque para a dívida pública na zona euro que recuou, no terceiro trimestre de 2022, para os 93,0% do PIB e na União Europeia para 85,1%, segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat.

Por outro lado a zona euro registou um défice de 3,3% do PIB, no terceiro trimestre de 2022, e a União Europeia de 3,2%, com Portugal a apresentar o segundo maior excedente das contas públicas (1,2%), divulga o Eurostat.

O euro aprecia 0,04% para 1,0860 dólares.

Destaque ainda para a notícia que a Alemanha vai juntar-se ao projeto de novas ligações para transporte de hidrogénio conhecido como H2MED acordado entre Portugal, Espanha e França em outubro passado, anunciaram hoje os governos dos países envolvidos.

O petróleo Brent dispara 1,1% para 88,59 dólares o barril em Londres.

As obrigações do tesouro da Alemanha a 10 anos, galgam 2,97 pontos base para 2,20%. Portugal tem os juros em alta de 3,94 pontos base para 33,08%. Espanha também com juros a subirem 3,84 pontos base para 3,17% e Itália que avança 3,60 pontos base para 4,02%. Grécia assiste a uma subida de 4,64 pontos base para 4,19%.

Recomendadas

EDP Renováveis mantém negociações do PSI em baixo

A maioria dos principais índices europeus seguem a mesma linha que Portugal, estando a negociar em terreno negativo.

Sector energético pressiona PSI. Lisboa abre no ‘vermelho’

A EDP Renováveis e a Greenvolt são as cotadas a perder mais terreno, recuando mais de 1% na abertura da última sessão da semana.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Os índices de gestores de compras para a zona euro e Reino Unido são divulgados no dia a seguir a nova subida dos juros na economia britânica, que destoa da tendência menos negativa do que o temido no resto o continente e parece mesmo estar em recessão.
Comentários