PSI20 ‘acorda com energia’

A bolsa lisboeta negoceia em terreno positivo em linha com os pares europeus. Destaque para os ganhos do Grupo EDP e do BCP.

Reuters

O PSI20 segue a ganhar 0,42% para os 4.640,25 pontos. Com 13 cotadas no verde, quatro inalteradas e uma no vermelho, destaque para os ganhos da EDP Renováveis, que valoriza 0,65%.

Isto depois de a empresa ter comunicado ao mercado que, através da sua subsidiária EDP Renewables North America LLC, completou o financiamento de “tax equity” no montante de 343 milhões de dólares com o Bank of America Merrill Lynch e Bank of New York Mellon, em troca de um interesse económico noparque eólico Hidalgo de 250 MW, localizado no estado do Texas, e no parque eólico Jericho Rise de 78 MW, localizado no estado de Nova Iorque.

No setor energético, destaque ainda para as valorizações da EDP, que ganham 0,73%, REN, que sobe 0,91% e The Navigator Campany, que ganha 1,28%.

Nota positiva ainda para o BCP que valoriza 0,21%, depois de ontem a assembleia-geral da instituição ter aprovado o aumento do limite de votos de 20% para 30%.

Na Europa, horas depois dos atentados na Alemanha, na Turquia e na Suíça, os mercados financeiros negoceiam em terreno positivo. O italiano MIB lidera os ganhos ao subir 0,61%. Já o espanhol Ibex e o francês CAC avançam 0,3%.

No mercado cambial, o euro cai 0,04%.

Recomendadas

Bolsa de Lisboa arranca no ‘vermelho’. Galp cai quase 2%

Em linha com as congéneres europeias, a praça lisboeta abre a sessão desta segunda-feira em terreno negativo, com as principais cotadas do PSI a desvalorizar. O índice recuou 0,68% na abertura.

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

Uma semana rica em dados da inflação na Europa, que os mercados analisarão com atenção na busca de sinais sobre a política monetária de médio-prazo do BCE, que tem vários responsáveis a discursar. Também nos EUA e Inglaterra os responsáveis pelos bancos centrais discursam na antecâmara da última reunião do ano.

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Comentários