PSI20 cai 0,04% numa restante Europa sem tendência definida

Das 19 cotadas que integram o PSI20, 10 desceram, oito subiram e a Greenvolt ficou inalterada em 6,23 euros.

O principal índice da bolsa de Lisboa, o PSI20, encerrou hoje com uma descida de 0,04% para 5.511,00 pontos, numa Europa sem tendência definida.

Das 19 cotadas que integram o PSI20, 10 desceram, oito subiram e a Greenvolt ficou inalterada em 6,23 euros.

A liderar as subidas ficou a Sonae SGPS, que cresceu 1,46% para 0,97 euros, seguida pela Corticeira Amorim, que aumentou 1,29% para 10,98 euros

Com ganhos abaixo de 1% ficaram a Altri (5,42 euros), a EDP (4,80 euros), a Semapa (11,64 euros), a Jerónimo Martins (20,26 euros), a EDP Renováveis (21,84 euros) e a NOS (3,35 euros).

No sentido oposto, a liderar as descidas ficou a Ramada Investimentos e Indústria, que caiu 3,04% para 7,02 euros.

Entre as principais perdas figuram ainda a Galp, que cedeu 1,32% para 8,52 euros, a Navigator, que também retrocedeu 1,32% para 3,39 euros, a Pharol, que totalizou menos 1,25% para 0,08 euros, a Novabase, que baixou 1,15% para 5,14 euros e a Ibersol, que se desvalorizou 1,13% para 5,24 euros.

Com descidas inferiores a 1% ficaram a Mota-Engil (1,28%), a REN (2,53 euros), o BCP (0,14 euros) e os CTT (4,38 euros).

No resto da Europa, Madrid avançou 1,24% e Frankfurt 1,04%, enquanto Paris desceu 0,28% e Londres 0,02%.

Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários