PSI20 fecha 2017 com ganhos acumulados de 15%, com Mota-Engil a brilhar

O PSI20 fechou 2017 com uma valorização de 15%, acima dos principais índices europeus, num ano em que a Mota-Engil se destacou, os CTT foram a ação mais penalizada e o BCP se tornou a cotada com mais peso.

Cristina Bernardo

Para os analistas contactados pela Lusa, a valorização acumulada pelo PSI20 este ano, que significa uma inversão de tendência depois da queda de 11% em 2016, acompanha a evolução da economia, a melhoria dos custos de financiamento do Estado e do ‘rating’ da República, que tem grande impacto no mercado acionista.

Já quanto a cotadas, o destaque do ano é a construtora Mota-Engil, que subiu 127% em termos acumulados, fechando nos 3,67 euros.

O gestor da corretora XTB Nuno Mello considerou, em declarações à Lusa, que esta valorização resulta de a empresa ter apresentado este ano “melhores resultados do que os analistas estavam à espera” e tem a ver também com o facto de os novos contratos assinados para obras em vários países criarem boas perspetivas para a empresa.

Já João Lampreia, do Banco Big, recordou que este título esteve “deprimido” nos últimos anos, pelo que tem havido alguma reversão da tendência negativa com a melhoria dos resultados da empresa, que capta a atenção dos investidores.

Em sentido contrário, os CTT – Correios de Portugal foram a empresa que mais caiu este ano, com uma desvalorização superior a 45%, para 3,51 euros.

Segundo João Lampreia, a empresa privatizada em 2014 tem sido penalizada pelos investidores devido à redução “das margens na atividade ‘core’ – correio tradicional e logística/embalagens” e por os resultados do banco CTT estarem a falhar face aos “objetivos definidos pela administração”.

Nuno Mello referiu ainda que o facto de a empresa ter cortado nos dividendos também penalizou o título.

Os CTT, que tiveram lucros de 19,5 milhões de euros até setembro deste ano, menos 57,6% do que no mesmo período de 2016, anunciaram um plano de reestruturação da sua atividade, que passa pela saída de mais 800 trabalhadores nos próximos três anos.

Os analistas destacam ainda a evolução este ano da cotada BCP, que subiu mais de 40%, fechando o ano nos 0,27 euros.

A suportar o título em 2017 esteve o significativo aumento de capital feito pelo banco no início do ano e a reestruturação que tem levado a cabo, com redução das imparidades.

Ainda este ano, o BCP voltou a tornar-se a cotada com maior peso no PSI20 (cerca de 16%), destronando as energéticas Galp e EDP.

Com bons desempenhos este ano fecharam ainda as empresas ligadas à indústria de papel Altri (34%), Semapa (33%) e Navigator (30%), beneficiando do crescimento das receitas e da margem, com impacto nos resultados.

Uma subida menos expressiva teve a Galp, com 8% no acumulado do ano, facto que está relacionado com a queda do preço do petróleo, enquanto a EDP cedeu mesmo 0,31%. Já a retalhista Jerónimo Martins valorizou 9,87%.

O ano do PSI20 ficou ainda marcado pela saída das cotadas BPI, após o controlo do banco pelo espanhol Caixabank, no âmbito da Oferta Pública de Aquisição (OPA), estando agora no índice geral, e pela saída de bolsa da Caixa Económica Montepio Geral, com a tomada de controlo de todos os títulos pela Associação Mutualista Montepio.

Face às praças europeias, o PSI20 foi dos que mais cresceu este ano, ao acumular ganhos de 15,15%. Contudo, é importante notar que vinha de uma situação mais negativa.

Paris acumulou este ano uma valorização de 9,26%, Londres de 7,63%, Frankfurt de cerca de 12% e Milão de 13,7%. Já o índice europeu Eurostoxx subiu cerca de 7%.

Para o próximo ano, os analistas esperam que o PSI20 continue a subir mas menos do que este ano.

“Espero que tenhamos um início de ano bom, mas a evolução depende muito da valorização dos índices americanos, que estão em máximos históricos. E depende de como Trump [o presidente dos EUA] irá aplicar a reforma fiscal e do comportamento do dólar dos mercados”, disse Nuno Mello, considerando que se houver uma “fraqueza” dos mercados americanos o PSI20 será dos primeiros índices a ceder.

João Queiroz, do Carregosa, também espera que o índice português valorize em 2018, mas admite que “pode não ser com um ritmo tão pujante” como este ano, e recorda que o ano novo está cheio de incertezas, desde logo devido a eleições em vários países (Itália, Brasil) ou à mudança de presidente da Reserva Federal norte-americana.

Ainda assim, disse, que algum choque negativo poderá ser suportado “pela rede” que ainda constitui o programa de estímulos do Banco Central Europeu, ainda que se vá reduzir a sua ação.

Recomendadas

OE2022. Pagamentos em atraso sobem para 778,1 milhões até agosto

Os pagamentos em atraso das entidades públicas atingiram os 778,1 milhões de euros em agosto, um aumento em 157,6 milhões de euros face ao mesmo período do ano anterior, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).

OE2022. Receita fiscal do Estado aumenta 22,8% até agosto para 33,5 mil milhões

A receita fiscal do Estado aumentou 22,8% até agosto face ao mesmo período do ano passado, totalizando 33.511,5 milhões de euros, segundo a Síntese da Execução Orçamental divulgada esta segunda-feira.

OE2022. Resposta à Covid-19 custou ao Estado 2.835,2 milhões até agosto

A resposta à covid-19 custou 2.835,2 milhões de euros até agosto, devido à perda de receita em 464,5 milhões de euros e ao aumento da despesa em 2.370,7 milhões, avançou esta segunda-feira a Direção-Geral do Orçamento (DGO).
Comentários