PSI20 segue em alta com ganhos da Pharol e CTT, com Europa pressionada por incerteza na Catalunha

O principal índice português, PSI 20, ganha 0,21%, para 5.442.62 pontos, impulsionado pelas valorizações da Pharol, CTT e BCP.

Brendan McDermid/Reuters

A bolsa portuguesa negocia a meio de sessão desta quarta-feira com ganhos, num altura em que as praças europeias transacionam em terreno misto. O principal índice português, PSI 20, ganha 0,21%, para 5.442.62 pontos, impulsionado pelas valorizações da Pharol, CTT e BCP.

A Pharol é a cotada que mais sobe, ao valorizar 6,23% para os 0,290 euros. Paulo Rosa, trader da Gobulling – Banco Carregosa explica que empresa liderada por Luís Palha da Silva está a “beneficiar de da aprovação do plano de reestruturação da operadora brasileira de telecomunicações Oi, da qual a Pharol é maior acionista”.

Paulo Rosa destaca ainda as declarações do presidente da Oi, Marco Norci Schroeder, após a aprovação do plano de reestruturação. “O presidente da Oi garantiu que a empresa está agora mais atrativa para ser alvo de um takeover ou oferta pública de aquisição (OPA), o que pode vir a atrair novos investidores e está a influenciar positivamente os ganhos da cotada”, sustenta.

Também os CTT estão em lugar de destaque no índice nacional. O operador postal valoriza 5,41% para os 3,683 euros. O trader da Gobulling – Banco Carregosa indica que a acentuar os ganhos da cotada está uma recomendação de compra do BPI, após ter anunciado um novo plano de reestruturação fiscal. Este “arrojado corte de custos” inclui cortes de 25% nos salários dos gestores e a redução de 800 postos de trabalho nas operações.

Em terreno positivo estão também os títulos do BCP, que esta manhã tocou máximos de ano e meio. “As ações da cotada atingiram os 27,18 cêntimos por unidade, tendo-se registado um grande interesse em comprar as ações deste título. Ainda assim, comparativamente com o dia de ontem, em que a cotada ultrapassou a barreira dos 27 cêntimos por ação, agora regista-se uma menor liquidez, com um menor volume de ações a serem transacionadas”, nota Paulo Rosa.

A negociar no verde estão também a Jerónimo Martins (0,39%), NOS (0,27%), Altri (0,39%), Corticeira Amorim (0,04%), REN (0,20%) e a Navigator (0,02%).

Em contraciclo estão os títulos da EDP e EDP Renováveis, que se ressentem depois de ter sido anunciada a compra de 14,46% da Centrais Elétricas de Santa Catarina pela EDP Brasil por 59,2 milhões de euros e o lançamento de uma OPA sobre mais 32% de ações preferenciais. A EDP perde 0,99% para os 2,896 euros e a EDP Renováveis cai 0,57% para os 6,795 euros.

A cair estão também a Galp Energia (-0,10%), Sonae (-0,26%), Sonae Capital (-0,22%) e a Semapa (-0,06%).

Paulo Rosa destaca ainda os títulos da Mota-Engil que negoceiam sem variação nos 3,740 euros, depois de a cotada ter ganho um contrato de 118 milhões na Polónia e ter aumentado para 238 milhões o volume de obras adjudicadas durante o mês de dezembro. Além disso, a Mota-Engil anunciou também novos contratos na Irlanda e Reino Unido.

Eleições na Catalunha pressionam praças europeias

Nas restantes praças europeias, o alemão DAX perde 0,26%, o francês CAC 40 recua 0,19%, o espanhol IBEX 35 desvaloriza 0,32%, o holandês AEX cai 0,26% e o italiano FTSE MIB resvala 0,31%. Em sentido contrário, o britânico FTSE 100 soma 0,02%.

“Nota-se um certo nervosismo em relação às eleições convocadas para amanhã na Catalunha. O IBEX 35 é a praça que mais cai na Europa contagiando as suas congéneres”, afirma Paulo Rosa.

O trader da Gobulling nota ainda que as bolsas europeias refletem o fecho em baixa do mercado norte-americano e aguardam com grande expectativa a aprovação do plano fiscal do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Gerou-se uma espécie de impasse com a aprovação do plano na Câmara dos Representantes e a sua passagem ao Senado. O plano teve no entanto que recuar à Câmara dos Representantes devido a um obstáculo processual. O pacote de medidas deve agora ser votada novamente esta quarta-feira”, sustenta.

No mercado petrolífero, o brent ganha 0,11% para os 63,87 dólares por barril e o crude WTI valoriza 0,36% para os 57,77 dólares.

No mercado cambial, o euro ganha 0,08%, para 1,184 dólares, e a libra soma 0,22%, para 1,341 dólares.

Recomendadas

Wall Street fecha instável em face da provável recessão

A indefinição está a marcar a economia interna dos Estados Unidos. sabe-se que haverá uma recessão, mas os seus contornos em termos de profundidade e duração não são claros. E o mercado mobiliário parece não gostar disso.

Há quem queira fugir à regulação do mercado criptoativo, alerta responsável europeia

A regulação deverá chegar no espaço de um ano, diz a comissária europeia para os serviços financeiros. Mas há ‘players’ do mercado que escolhem deliberadamente jogar contra as regras, avisa. A abordagem deve ser “global”.

Lagarde e o ‘whatever it takes’ para controlar a inflação. Ouça o podcast “Mercados em Ação”

No “Mercados em Ação”, podcast do JE, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.
Comentários